Governo da Bahia

NOTÍCIAS

Ex-presidente do Vasco, Eurico Miranda morre aos 74 anos

Terça-feira, 12 de Março de 2019 / Brasil

Eurico Miranda, ex-presidente do Vasco — Foto: Leonardo Magliano

O mais icônico dirigente do Vasco saiu de cena nesta terça-feira. Aos 74 anos, Eurico Miranda morreu em um hospital na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, vítima de câncer no cérebro. Atualmente, ele estava no cargo de presidente do Conselho de Beneméritos do clube. Ele deixa quatro filhos. O treino do time profissional marcado para a tarde desta terça-feira, que seria realizado em São Januário, foi cancelado.

O velório começará nesta terça-feira a partir das 18h na Capela Nossa Senhora das Vitórias, que fica na sede do clube em São Januário, e será aberto ao público. O corpo seguirá para o cemitério São João Batista, onde será sepultado na tarde de quarta-feira, apenas com a presença dos familiares.

Nos últimos meses, Eurico não fez aparições públicas. Seu estado de saúde se agravou, inclusive com dificuldade para se alimentar. A família montou uma UTI em casa, com home care, com enfermeiras se revezando para cuidar da saúde do dirigente. Visitas, inclusive das pessoas mais próximas, eram controladas pela família.

De ambulância, ele foi levado ao hospital na manhã desta terça. Lá não resistiu e morreu no início da tarde.

Em novembro, numa reunião do Conselho Deliberativo, já bastante debilitado, precisou de ajuda para se levantar e puxar o grito de Casaca, uma tradição do Vasco à qual se habituou a liderar.

No mesmo evento, Eurico anunciou que diminuiria a frequência de suas visitas ao Vasco e se limitaria a reuniões do Conselho de Beneméritos e do Conselho Deliberativo. Ele havia dispensado seguranças e motoristas.

Eurico se encontrava em estado debilitado desde o início de 2018. Mesmo assim, foi figura presente em jogos do Vasco em São Januário - chegou até mesmo a ir aos treinos do elenco no CT do Almirante, em Vargem Pequena.

Antes da atual doença, o dirigente conseguiu superar um câncer na bexiga e outro no pulmão. Nos últimos meses, locomovia-se de cadeira de rodas. Recentemente, passou a se tratar em casa, com idas frequentes ao médico.

Eurico foi presidente do Vasco em dois períodos: de 2003 a 2008, e de 2015 a 2017. Também foi vice-presidente de futebol do clube entre 1990 e 2002, tendo participado do período de maiores conquistas do clube, como o Campeonato Brasileiro de 1997, a Copa Libertadores de 1998, a Copa João Havelange de 2000 e a Copa Mercosul de 2000.

Em sua história como dirigente, colecionou polêmicas desde os tempos de vice-presidente de patrimônio, em 1969, quando desligou a luz elétrica do clube para tentar evitar a cassação do então presidente Reinaldo Reis. Em 1980, já como diretor de futebol, ajudou o Vasco a evitar a ida de Roberto Dinamite para o Flamengo.

De 1986 a 2001, atuou como vice de futebol, sob a presidência de Antônio Soares Calçada, período no qual também teve dois mandatos como deputado federal. Nessa época, transformou os clássicos com o Flamengo em um "campeonato à parte", tendo inclusive conseguido tirar Bebeto do rival em 1989. Ainda se tornou um dos protagonistas do dia da tragédia ocorrida em São Januário, com a queda do alambrado, na final da Copa João Havelange contra o São Caetano.

Em 2001, a CPI do Futebol descobriu que o dublê de cartola e político usou “laranjas” para receber recursos que saíam da Vasco da Gama Licenciamentos (VGL), mas não teve seu mandato cassado. Seu primeiro ano como presidente foi 2003. No ano seguinte, recebeu uma condenação judicial por agressão a um jornalista depois de não gostar de uma pergunta referente à provocação feita antes da derrota para o rival na decisão do Carioca de 2004.

Em 2008, a eleição que daria a Eurico mais um mandato como presidente do Vasco foi cancelada. Roberto Dinamite venceu o segundo pleito. Neste ano, o clube sofreu o primeiro rebaixamento de sua história no Campeonato Brasileiro. Voltou à presidência em dezembro de 2014. No ano seguinte, ele havia prometido ir para a Sibéria se o clube caísse novamente. A queda aconteceu.

Em 2017, mais uma eleição confusa. A Justiça anulou o pleito vencido por Eurico por fraude na urna 7 e deu a vitória a Júlio Brant. Em novo round, desta vez no Conselho, Eurico e Roberto Monteiro se aliaram a Alexandre Campello, para derrotar Julio Brant no dia 20 de janeiro de 2018. Foi a última grande prova de poder de um dos principais nomes da história do Vasco.


Blogbraga/g1 - Globo Esporte

Compartilhar no Whatsapp

Um minuto de silêncio no 8 de Março

Sexta-feira, 08 de Março de 2019 / Brasil

(Arte Revista CULT)

O Dia Internacional da Mulher não é exatamente um dia de comemoração, mas uma dia de rememoração. O 8 de Março deve representar uma parada para pensar em nossa própria história ligada de um modo inapagável à violência contra as mulheres. Infelizmente, essa mesma violência contra as mulheres se tornou natural para a maior parte das pessoas. Em nossa cultura as mulheres são vítimas, mas ainda são tratadas como culpadas.

Não se pode esperar nada de melhor do sistema patriarcal que, no dia a dia, nos faz conhecer o machismo mais bruto, aquele que está na estrutura, aquele que somente as feministas tomam por dever questionar. Justamente por isso mesmo é que as feministas acabam por se tornar as novas vítimas do ódio patriarcal. O ódio que foi lançado sobre as mulheres também é lançado sobre aquelas que descobrem, criticam e lutam contra o mecanismo do qual o ódio é a energia. Acontece que o ódio ao qual damos o nome técnico de misoginia é estratégico, não é gratuito, tem uma função específica, a de sustentar as coisas como elas estão ao preço de vidas.

A meu ver, devemos hoje rememorar as mulheres que sofreram violências, aquelas que foram agredidas e, no limite, mortas apenas porque sobre elas caiu o signo “mulher”. O machismo é um sistema de preconceitos e privilégios que depende da violência contra os seres estigmatizados como mulheres. Seres que, caso não cumpram com a “função” que lhes foi delegada pelo patriarcado, são culpabilizadas e condenadas até a morte.

O que chamamos de feminicídio nada mais é do que o efeito lógico desse  sistema que extermina essas mulheres que são consideradas inadequadas e indesejáveis aos parâmetros machistas. Podemos comemorar a vida das mulheres que sobreviveram até aqui e assim otimizar a nossa luta, mas não podemos esquecer as mulheres assassinadas, pois para elas não haverá justiça.

Todas as mulheres sofrem mais cedo ou mais tarde algum tipo de violência, sem falar na violência estrutural, familiar, educacional, epistemológica que está na base mais densa da vida das mulheres. Falo aqui das violências simbólicas e físicas, estruturais e verbais, domésticas ou públicas. Não há quem não tenha vivido algum tipo de violência, ou não conheça mulher que tenha sido vítima de violência apenas por ser mulher. As famílias e outras instituições de um modo geral escondem e, infelizmente, fomentam essa violência. A violência física, sempre mais chocante, é a mais difícil de ser enfrentada.

Djanira, morta e queimada em Vacaria em janeiro de 2018

Ao redigir o meu livro Feminismo em comum, em um ponto específico, ao pensar em “como nos tornamos feministas”, senti a necessidade de contar algo sobre minha avó, da mãe de minha mãe. Minha avó foi uma sobrevivente de violência física perpetrada por seu próprio marido, pai de seus 10 filhos, de quem conseguiu se separar nos anos 50. Carregou o estigma de mulher “desquitada” e uma amargura profunda durante toda a vida, apesar de seu jeito quieto e doce.

Hoje, eu me entristeço ao falar da cidade onde ela viveu e morreu, a cidade onde eu nasci e onde parte da minha família ainda vive. A violência contra as mulheres segue na pequena cidade de menos de 70 mil habitantes chamada Vacaria nos Campos de Cima da Serra gaúcha.

Dedico essa pequena crônica à memória de minha avó materna, dona Altiva, e, junto dela, à memória de outra mulher que conheci quando menina, Eva Djair Pereira Boeira que, diferentemente de minha avó – sobrevivente estigmatizada por ser descasada em tempos ultra moralistas naquele mundo bruto – , viveu a vida inteira ao lado de seu assassino.

Eva, que gostava de ser chamada de Djanira, foi morta pelo marido no dia 6 de janeiro de 2018, aos 67 anos de idade. Ela foi queimada na quase totalidade de seu corpo. Seu assassino a deixou no hospital quase morta, alegando que iria em casa buscar documentos. Depois desapareceu. Parece que a polícia o encontrou, mas ele segue em liberdade. É um homem de quase 70 anos que viveu com ela a vida inteira.

Desde esse dia, as pessoas se perguntam: como uma coisas dessas foi possível? Contudo, eu me pergunto, o que esse “possível” quer dizer? Seria impossível imaginar que um dia seu marido a pudesse matar? Ou que ela tenha vivido uma vida inteira e tenha tido dois filhos com seu próprio assassino sem jamais imaginar que ele a poderia matar? São perguntas que não interessam à polícia, nem aos advogados, talvez interessem aos filhos, talvez o assassino possa um dia se colocar essa questão, se tiver alma para isso.

Lembro de Djanira a visitar a casa de minha mãe para vender produtos da Avon. Ninguém era mais simpática do que ela. Lembro do seu perfume, dos seus olhos luminosos, da sua pele sedosa. Ela era meiga conosco e naturalmente gostávamos dela. Minha mãe, que sempre falava da brutalidade dos homens, comentava sobre o marido de Djanira, um homem desde sempre violento.

Procurei notícias na internet, perguntei à minha mãe sobre o que ela sabia. Mas ninguém sabia quase nada. Em torno de muitas mulheres violentada o silêncio é comum. Descobri que em 2017 quatro mulheres foram queimadas de modo semelhante em Vacaria. Apenas Djanira morreu, mas os traumas das sobreviventes são indeléveis.

O feminicídio por queimadura tem sido uma espécie de técnica usada em escala internacional. Argentina, México e outros países apresentam muitos casos que despertam cada vez mais a curiosidade das feministas, porque somente elas tem coragem de levantar essa questão e romper com a ideia de uma “acidente doméstico” com álcool ou gasolina.

Que as mulheres sejam queimadas hoje nos faz lembrar das bruxas entre o século 14 e 17, mas também das operárias mortas na fábrica de tecidos em Nova York no século 19, cuja história está na base da rememoração do 8 de março. As mulheres indianas que em um ritual bizarro devem se jogar nas piras onde ardem os corpos de seus maridos mortos são uma caso para pensar acerca de uma lógica que se faz arquetípica no extermínio de uma parte da população indesejável. O que nos parece mais arcaico se renova sempre que necessário.

A lei do feminicídio

A lei do feminicídio, bem como a lei Maria da Penha, tem sido vista por alguns como solução, para outros como uma espécie de entrave no que concerne à matança de mulheres. Sabemos que nenhuma lei que tente proteger as mulheres será suficiente enquanto não encontramos um verdadeiro antídoto para o machismo, esse veneno mortal inoculado nos corpos em nome dos privilégios patriarcais.

Sabemos que as leis fazem parte do machismo estrutural, que sempre foi punitivista com as mulheres, seja no espaço privado da casa em que homens que se sentem soberanos apenas porque são homens, espancam e matam com base no arcaísmo do pater potestas. Donos dos corpos e das vidas de seus familiares e súditos, há homens que não se compreendem como assassinos mesmo quando matam.

A cultura do assédio e a cultura do estupro (dentro e fora da casa) são parte da cultura machista em um sistema patriarcal, estabelecido na lógica de uma razão patriarcal que tudo contaminou há muito tempo. A violência contra as mulheres no trabalho e nas ruas, na política e na vida pública não podem ser apagadas. Leis que pudessem promover paridade salarial e de outros direitos seriam muito bem vindas.

Ora, em que pese a miséria patriarcal na qual estão forjadas as leis, elas representam um espaço simbólico que é preciso ocupar em nome da luta feminista. Uma lei não resolve nada, mas a sua ausência também não. Os limites de uma lei não nos devem levar a pensar que elas não fazem sentido.

Minha avó certamente foi amparada pela figura jurídica do “desquite”, hoje chamada apenas de separação, que data do começo do século 20. Se não houvesse essa possibilidade, ela não teria solução, senão a fuga desamparada por qualquer tipo de direito. Djanira não foi salva pela lei do feminicídio, ainda muito nova e fraca perto da conhecida capacidade de matança do machismo. O assassino está solto, e se estivesse preso, ela continuaria morta. Morta pelo machismo. Mas muitas mulheres ainda podem ser salvas pelo esforço das lutas feministas que se propõem a mudar a ordem da cultura.

Em que pesem os limites da lei, precisamos torná-la mais conhecida não tanto pelos homens, mas pelas mulheres que devem aprender a refletir sobre o machismo ao qual estão subjugadas. As mulheres precisam saber que podem ser mortas por seus companheiros pelos mais diversos motivos e que eles são sempre os mais torpes.

Dessa consciência depende também a construção de uma vida justa e segura com escolhas melhores, o que só será possível quando estivermos livres de todo machismo, ele mesmo uma forma clássica da autoritarismo baseado no valor do gênero. Antes de seguir com a luta por uma vida justa, peço um minuto de silêncio por Djanira e por todas as mortas por serem mulheres.


Blogbraga/CULT/Por Marcia Tiburi

Compartilhar no Whatsapp

Mangueira é a campeã do carnaval 2019 do Rio

Quarta-feira, 06 de Março de 2019 / Brasil

Integrantes da Mangueira comemoram nota na apuração do carnaval 2019 — Foto: Marcos Serra Lima

Evelyn Bastos, rainha de bateria da Mangueira, durante a apuração das notas — Foto: Marcos Serra Lima/G1

Quadra da Mangueira em festa durante a apuração das notas — Foto: Rodrigo Gorosito/G1

A Mangueira é a grande campeã do carnaval 2019 do Rio de Janeiro. A Imperatriz Leopoldinense e a Império Serrano foram rebaixadas.

O G1 acompanhou ao vivo a apuração das notas, que aconteceu na tarde desta quarta-feira (6), diretamente da Marquês de Sapucaí. Veja aqui.

Para conquistar o seu 20º título, a Mangueira deu uma aula de história na Sapucaí. Mas foi uma história alternativa, com destaque para heróis da resistência negros e índios em vez dos personagens tradicionais das páginas de livros escolares.

FOTOS: Veja como foi o desfile da Mangueira

VÍDEOS: Melhores momentos do desfile da Mangueira

O enredo “História pra ninar gente grande” foi assinado pelo carnavalesco Leandro Vieira e contado em 24 alas e cinco alegorias. Em busca do título, a Mangueira exibiu uma bandeira do Brasil com as cores da escola no final do desfile.

"A gente passou a mensagem que a gente queria", comemorou a rainha de bateria Evelyn Bastos, destacando que a escola exaltou a história do povo negro.

"Lava a alma. A Mangueira estava esperando esse título. Foi muita batalha", afirmou Alvinho, ex-presidente da escola. "Fizemos um grande espetáculo e, semana que vem, se Deus quiser, vamos repetir."

Destaques do desfile

O segundo carro apresentou uma releitura do Monumento às Bandeiras, em São Paulo. A obra apareceu manchada de sangue, em referência à forma violenta com a qual os bandeirantes exploravam o Brasil

Uma ala com passistas, a bateria e outras partes do desfile deram destaque às rebeliões e fugas de escravos

O samba citou Marielle Franco, vereadora do PSOL morta a tiros em março do ano passado. A arquiteta Mônica Benício, viúva de Marielle, o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL) e o vereador Tarcísio Motta (PSOL) desfilaram à frente da última ala

Com 3.500 componentes, a escola verde e rosa apresentou heróis como o guerreiro Sepé Tiaraju, que tentou evitar o massacre dos guaranis pelas tropas de Portugal e da Espanha.

Foram recontadas batalhas entre índios e portugueses, com tribos dizimadas. Uma das alas mostrou os índios Cariris e sua luta para que o Nordeste não fosse invadido, em um conflito de mais de 50 anos.

Um grupo de musas da comunidade chamou a atenção por representar importantes mulheres negras, como Acotirene, matriarca do Quilombo dos Palmares, e Adelina Charuteira, da campanha contra a escravidão no Maranhão.

Outro momento de representação feminina foi um dos carros foi empurrado apenas por mulheres.

O quarto carro contou a história de Chico da Matilde. O jangadeiro negro lutou para impedir o embarque de escravos no Ceará e foi importante para abolição da escravidão na região.

As alas seguintes apresentaram caricaturas que caçoaram de Pedro Álvares Cabral (apresentado como presidiário) e Pedro I (montado em uma mula). Cheio de livros gigantes, o quinto carro da Mangueira simbolizou "A história que a história não conta", mais uma vez questionando as lições ensinadas nas escolas.


Blogbraga/G1

Compartilhar no Whatsapp

Rui vai a São Bernardo do Campo e participa do velório do neto de Lula

Sábado, 02 de Março de 2019 / Brasil

O governador Rui Costa viajou à cidade de São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, na manhã deste sábado (2), para participar do velório do neto do ex-presidente Lula, Arthur Araújo Lula da Silva, vítima de meningite meningocócica aos 7 anos. 

O governador decidiu interromper sua agenda oficial de Carnaval para prestar solidariedade ao ex-presidente. “É um momento de muita dor e vim manifestar meu apoio a Lula e aos seus familiares. Me solidarizo com o sofrimento de todos diante de um fato tão doloroso. Vim reafirmar ao presidente meu carinho, meu respeito e minha amizade, principalmente nesta circunstância tão difícil que ele está vivendo com a perda do neto querido”, afirmou o governador Rui Costa. O corpo de Arthur está sendo velado no Cemitério Jardim das Colinas.


Blogbraga/Secom - Secretaria de Comunicação Social - Governo da Bahia

Compartilhar no Whatsapp

Lula vai a velório do neto em São Bernardo, SP

Sábado, 02 de Março de 2019 / Brasil

Lula, o neto Arthur, e dona Marisa no aniversário de 70 anos do ex-presidente — Foto: Ricardo Stuckert/G1

Ex-presidente Lula embarca para São Paulo para acompanhar o velório do neto — Foto: Valquier Aureliano/PhotoPress/Estadão Conteúdo

Arthur Lula da Silva, de 7 anos, morreu nesta sexta-feira (1º) vítima de meningite meningocócica. Corpo é velado no Cemitério Jardim das Colinas, na Grande São Paulo.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a São Paulo na manhã deste sábado (2), após deixar a sede da Polícia Federal (PF) em Curitiba, para participar do velório do neto, Arthur Lula da Silva, de 7 anos, que morreu vítima de meningite meningocócica.

Preso por condenação em 2ª instância na Lava Jato por corrupção e lavagem de dinheiro, o ex-presidente recebeu autorização da Justiça Federal para ir à despedida do neto. A íntegra da decisão, tomada na noite desta sexta-feira (1º), não foi divulgada.

Resumo
Arthur, neto de Lula, morreu por volta do meio-dia de sexta-feira;
No mesmo dia, o ex-presidente pediu e obteve autorização para sair da prisão, em Curitiba, e ir ao velório em São Bernardo do Campo (SP);
Neste sábado (2), o avião levando Lula decolou de Curitiba às 7h19 e pousou às 8h31 em Congonhas;
Por volta das 10h20, o ex-presidente pegou um helicóptero para ir a São Bernardo do Campo. De um heliponto, ele segue em carro escoltado até o cemitério;
O velório reúne petistas e amigos de Lula, como a ex-presidente Dilma Rousseff, Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos (PSOL), candidatos derrotados nas eleições presidenciais de 2018, e os ex-ministros Benedita da Silva, Aloizio Mercadante e Alexandre Padilha.

O corpo de Arthur começou a ser velado por volta de 22h desta sexta, no Cemitério Jardim da Colina, em São Bernardo do Campo, e seguia ao longo deste sábado. A cremação está prevista para o meio-dia.

Muito emocionados, os pais de Arthur passam a manhã ao lado do caixão. Objetos pessoais do menino foram colocados perto dele. A sala está repleta de coroas de flores.

Por volta de 9h, o movimento havia se intensificado na sala do velório. O policiamento é grande do lado de fora.

Amigos e políticos

Antes mesmo da chegada do ex-presidente, amigos dele e políticos já estavam no local. Entre eles, estão a ex-presidente Dilma Rousseff, o governador da Bahia, Rui Costa, o ex-ministro Fernando Haddad (PT), candidato derrotado no 2º turno das eleições presidenciais de 2018, e os ex-ministros Benedita da Silva, Aloizio Mercadante e Alexandre Padilha.

A despedida do neto de Lula reúne ainda petistas como Gilberto Carvalho, José Mentor, Alexandre Padilha, José de Fillipi Jr. e o Professor Luizinho, além de Rafael Marques e José Lopes Feijóo, ex-presidentes do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Os deputados Carlos Zarattini (PT-SP) e Ivan Valente (PSOL-SP) também estão presentes.

"Momento de extrema tristeza. Vim aqui para abraçar o presidente Lula. Ontem ainda escrevi ao presidente Jair Bolsonaro que era fundamental, sagrado, constitucional que pudesse Lula estar aqui presente no velório de seu neto Arthur. Uma pessoa tão querida", disse o vereador de São Paulo Eduardo Suplicy.

No local, o candidato derrotado do PSOL à Presidência da República, Guilherme Boulos, falou com a imprensa. "Conversei com a família, dei os pêsames. Felizmente, dessa vez houve um bom senso da Justiça e da Polícia Federal de permitir que o presidente Lula possa vir se despedir do seu neto", afirmou Boulos, referindo-se ao funeral do irmão de Lula, do qual o ex-presidente não conseguir participar devido à demora de decisão favorável do STF.

Ida a São Paulo

O pedido feito pela defesa de Lula para ele ir ao funeral do neto citava o artigo 120 da Lei de Execução Penal, que diz que "os condenados que cumprem pena em regime fechado ou semiaberto e os presos provisórios poderão obter permissão para sair do estabelecimento, mediante escolta, quando ocorrer falecimento ou doença grave do cônjuge, companheira, ascendente, descendente ou irmão".

O ex-presidente está preso em uma sala especial na Polícia Federal (PF) desde 7 de abril de 2018. Neste período, Lula recebeu a visita de Arthur em duas oportunidades.

Ainda na sexta-feira, o Ministério Público Federal deu parecer favorável à saída do ex-presidente, e a Justiça Federal autorizou a viagem, feita com escolta policial.

O avião em que Lula viajou, um Cessna Grand Caravan de prefixo PP MMS que pertence ao governo do Paraná, pousou no Aeroporto de Congonhas, Zona Sul de São Paulo, às 8h31 deste sábado (2). A decolagem tinha sido às 7h19.


Blogbraga/G1

Compartilhar no Whatsapp

Meningite meningocócica: saiba como se prevenir

Sábado, 02 de Março de 2019 / Brasil

A meningite é uma doença grave que pode ser causada por diversos agentes infecciosos, como bactérias, fungos e vírus. A meningite bacteriana costuma apresentar um quadro clínico mais grave. No Brasil, casos de meningite são esperados ao longo de todo o ano, sendo a ocorrência das bacterianas mais comum no inverno e, das virais, no verão.

A meningite meningocócica é uma infecção bacteriana das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal, podendo causar sequelas e até mesmo levar a óbito. É causada pela bactéria Neisseria meningitidis que possui 12 sorogrupos identificados1,4, sendo que cinco deles são os mais comuns (A, B, C, W e Y).

Por ser uma doença grave, é importante conhecer os diferentes tipos de meningite e saber como se prevenir. Confira abaixo algumas informações sobre a doença como transmissão, sintomas e formas de prevenção.

- Quais as diferenças entre meningite viral e meningite bacteriana?

As meningites bacterianas são, do ponto de vista clínico, as mais graves.A meningite meningocócica (causada pela Neisseria meningitidis) certamente está entre as doenças imunopreveníveis que causam maior preocupação e, pela magnitude, gravidade e potencial de ocasionar surtos e epidemias, apresenta maior importância para a saúde pública.Já as meningites virais podem se expressar por meio de surtos, porém com menor gravidade. 

- O que é doença meningocócica? Por que é uma doença grave?

A Doença Meningocócica (DM) é causada pela bactéria Neisseria meningitidis e uma das formas de manifestação é a meningite meningocócica, que é uma infecção das membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. Uma outra forma mais grave é quando a bactéria atinge a corrente sanguínea, chamada de meningococcemia.

Mesmo quando a doença é diagnosticada precocemente e o tratamento adequado é iniciado, 8% a 15% dos pacientes vão a óbito, geralmente dentro de 24 a 48 horas após o início dos sintomas. 

Se não for tratada, a meningite meningocócica é fatal em 50% dos casos e pode resultar em dano cerebral, perda auditiva ou incapacidade em 10% a 20% dos sobreviventes. 

- Como a meningite meningocócica pode ser transmitida?

O meningococo, bactéria que causa a meningite meningocócica, pode ser transmitido de uma pessoa para outra por meio do contato direto com gotículas respiratórias através de tosse, espirro e beijo, por exemplo. Aproximadamente 10% dos adolescentes e adultos possuem a bactéria na orofaringe (“garganta”) e podem transmiti-la mesmo sem adoecer – são chamados de portadores assintomáticos. 

- Quais são os sintomas mais comuns?

Os sinais e sintomas iniciais da meningite meningocócica — incluindo febre, irritabilidade, dor de cabeça, perda de apetite, náusea e vômito — podem ser confundidos com outras doenças infecciosas.

Na sequência, o paciente pode apresentar pequenas manchas violáceas (arroxeadas) na pele, rigidez na nuca e sensibilidade à luz.

Se não for rapidamente tratado, o quadro pode evoluir para confusão mental, convulsão, sepse e choque, falência múltipla de órgãos e risco de óbito.

Essa rápida evolução e início abrupto, pode levar a óbito em menos de 24 a 48 horas. Por isso, é tão importante a prevenção da doença. 

- Quais são as principais formas de prevenção?

A vacinação é considerada uma forma eficaz na prevenção da doença. A vacina para prevenção da doença meningocócica causada pelos sorogrupos A, C, W e Y é indicada para crianças a partir dos 2 meses de idade, adolescentes e adultos. Já a vacina para a proteção contra a doença meningocócica causada pelo meningococo B é indicada para indivíduos dos dois meses aos 50 anos de idade. Nos postos de saúde, a vacina para proteção contra a doença causada pelo meningococo C é gratuita para crianças menores de 5 anos de idade e adolescentes de 11 a 14 anos.

Outras formas de prevenção são evitar aglomerações e manter os ambientes ventilados e limpos.

Click no link e relembre a matéria do neto do ex- presidente Lula que morreu de meningite meningocócica

http://blogbraga.com.br/?Pagina=Noticias&Titulo=neto-do-ex-presidente-lula-morre-de-meningite-meningococica-aos-7-anos&Id=59056


Blogbraga/Por Camila Curvelo

Compartilhar no Whatsapp

Neto do ex-presidente Lula morre de meningite meningocócica aos 7 anos

Sexta-feira, 01 de Março de 2019 / Brasil

Arthur Araújo Lula da Silva, filho de Sandro e Marlene, morreu no Hospital Bartira, em Santo André. Defesa do ex-presidente pede que Justiça autorize a saída para o enterro do neto

Arthur Araújo Lula da Silva, de 7 anos, neto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, morreu no início da tarde desta sexta-feira. O Hospital Bartira, do grupo D’Or, em Santo André (Grande São Paulo), informou que a criança foi diagnosticada com meningite meningocócica e não resistiu, devido ao agravamento do quadro infeccioso. Arthur era filho Marlene Araújo Lula da Silva e Sandro Luis Lula da Silva, filho da ex-primeira-dama Marisa Letícia (que faleceu em fevereiro de 2017) e do ex-presidente Lula, preso desde abril de 2018 na carceragem da sede da Polícia Federal em Curitiba (PR). 

A meningite meningocócica é uma infecção causada pela bactéria Neisseria meningitidis. Esta bactéria pode causar inflamação nas meninges, membranas que revestem o sistema nervoso central, e infecção generalizada. As meningites bacterianas são as mais graves do ponto de vista clínico. Segundo a Sociedade Brasileira de Infectologia, o meningococo apresenta os sorotipos: A, B, C, X, Y e W135 e a transmissão é por via respiratória, através de gotículas e secreções do nariz e garganta, ao tossir, falar ou espirrar. É uma doença considerada rara. Os sintomas da doença incluem febre alta e repentina; dor de cabeça intensa e contínua, vômitos, náuseas, rigidez de nuca e podem surgir pequenas manchas vermelhas na pele (se a meningite for causada pelo meningococo).

A defesa do ex-presidente pediu que a Justiça autorize a saída dele para o enterro do neto. O pedido foi protocolado na 12ª Vara Criminal Federal de Curitiba, segundo o portal G1. A Lei de Execução Penal, no artigo 120, prevê que presos em regime fechado, semiaberto ou provisórios podem obter permissão para sair do estabelecimento, mediante escolta, no caso de falecimento de cônjuge, companheiros, ascendentes, descendentes ou irmãos.

A presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, lamentou a morte de Arthur em seu Twitter e afirmou que o partido fará de tudo para que Lula possa vê-lo. No final de janeiro deste ano, o ex-presidente Lula perdeu o irmão Genival Inácio da Silva, o Vavá, de 79 anos, vítima de um câncer no pulmão. A defesa pediu a liberação de Lula para o enterro, mas a juíza Carolina Lebbos, da vara de execução penal, negou. Usou como base para a sua decisão argumentos da PF e do Ministério Público, que afirmavam que não havia tempo hábil para a logística do ex-presidente. Os advogados de Lula recorreram e o presidente do Supremo Tribunal Federal, Antonio Dias Toffoli, aceitou o pedido. Mas a resposta chegou no momento em que Vavá era enterrado e, por isso, Lula não foi.

A preocupação dos militantes petistas é que a Polícia Federal que deveria escoltá-lo até o velório, se autorizado, estará em recesso de Carnaval a partir desta sexta-feira. Com isso, temem que a PF possa dar a mesma justificativa de janeiro, de que não teria condições técnicas para a escolta. Segundo a colunista da Folha de S.Paulo, Monica Bergamo, o velório e o enterro de Arthur Araújo Lula da Silva devem acontecer na tarde de sábado, 2 de março, para que dê tempo de Lula chegar de Curitiba.

A morte do neto de Lula foi lamentada por vários políticos, entre eles a ex-presidenta Dilma Rousseff e Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo que disputou a Presidência pelo PT. "Que Deus ampare a família Lula da Silva. Quanta dor! Neto do ex-presidente Lula morre de meningite meningocócica em São Paulo", escreveu Haddad, em uma rede social.


Blogbraga/EL País

Compartilhar no Whatsapp

"Nunca vi exército de outro país jogar bomba de gás no Brasil", diz coronel

Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2019 / Brasil

O oficial de operações José Jacaúna de Souza, coronel do Exército brasileiro em Pacaraima, Roraima, afirmou que os militares venezuelanos invadiram a área que tecnicamente pertence ao Brasil no momento em que entraram em confronto com manifestantes na fronteira. O oficial considerou uma "agressão" e defendeu que o governo brasileiro tome "medidas diplomáticas".

— Foi um episódio lamentável, ninguém esperava que isso acontecesse em nosso território. Recebemos uma chuva de gás lacrimogêneo. Esperamos que isso não fique assim — declarou Jacaúna.

O coronel ainda classificou o episódio como uma "rusga", e ponderou que cabe apenas ao presidente da República, Jair Bolsonaro, avaliar se foi um incidente diplomático.

Jacauna reforçou o discurso de que o Brasil não tem planos de se envolver em conflito armado com a Venezuela. Sobre a ação no lado brasileiro, garantiu que o efetivo é suficiente para garantir a ordem.

O comandante do Exército brasileiro, Edson Pujol, não considera que houve invasão em território brasileiro. Para ele, a escaramuça aconteceu em uma "zona neutra" da fronteira com o Brasil.

Coquetéis molotov e tiros

Por volta de 17h30min, um grupo formado por jovens mascarados começou a atirar coquetéis molotov e pedras contra o cordão de militares. Após os primeiros arremessos, uma estrutura de alvenaria utilizada pelos militares pegou fogo. Áreas de vegetação também foram incendiadas, provocando grandes colunas de fumaça.

Os militares reagiram atirando bombas de gás e efeito moral. Sem conseguir que os manifestantes recuassem, passaram a dar tiros de arma de fogo e com balas de borracha. Ao menos um venezuelano ficou ferido. Ele foi deixado na base militar brasileira.

O deputado Luís Silva, do Movimento da Unidade Democrática (MUD), partido de Juan Guaidó, afirmou que quatro pessoas morreram em confrontos com as forças militares venezuelanas. Três dessas mortes foram confirmadas pela médica socorrista Carla Cevita, que trabalha na região.

Ela não soube passar detalhes sobre as vítimas, e acrescentou que ao menos 23 pessoas ficaram feridas durante os enfrentamentos entre parte da população com o exército de Nicolás Maduro. Nove seriam transferidos ao Brasil. Embora a fronteira esteja fechada, a passagem de veículos de socorro é permitida.

Nos primeiros deslocamentos, cinco cidadãos do país vizinho foram levados ao hospital, todos em estado grave. Com poucos funcionários, a instituição solicitou ajuda de militares. Depois dos primeiros atendimentos, os venezuelanos devem ser levados à capital Boa Vista, que fica a 200 quilômetros de distância.

Outro responsável por socorrer as vítimas, o diretor de Proteção Civil de Bolívar, Alberto Brito, relatou que os enfrentamentos se intensificaram nos últimos dois dias em Santa Elena, a primeira cidade após a fronteira do Brasil.

— A situação é grave, muitas pessoas com ferimentos de tiros, de pedradas. Os conflitos com o Exército ocorrem em todas as partes — relatou o socorrista, cuja atividade é independente do governo da Venezuela.


Blogbraga/Fonte: Zero Hora

Compartilhar no Whatsapp

SOBRINHO FAZ HOMENAGEM A TIA QUE ERA PINTORA NA CIDADE DE PESQUEIRA/PE

Quinta-feira, 21 de Fevereiro de 2019 / Brasil

Maria Cristna da Silva - Pintora

Maria Cristna da Silva uma pintora da cidade de Pesqueira que vivia sempre envolvida na arte da pintura.

Nossa ela respirava vinte e quatro horas por dia, a arte da pintura e era a sua vida, estava no sangue, desde criança já pintava belos quadros partindo sempre do estilo sacro, barroco, modernismo, ao gótico e o contemporâneo.

Pintar sempre foi o seu pulsar. Sempre ativa perfeccionista nas pinturas que pintava. Garanto que 50% a90% da sociedade pesqueirense  tem algum quadro pintado, uma pintura feita por Maria Cristina inclusive parlamentares.

MinhaTia Maria Cristina, foi sempre um espirito evoluido, uma mulher guerreira, uma pessoa sempre atuante, gerando ações concretas e conseqüentes conquistas para a sua classe. 

Deu aulas de pinturas deixando um legado para a sua filha a pintora Betânia Fernandes.

Maria Cristina a cada quadro que pintava era uma grande  evolução do tempo, sua imagem tornou-se muito mais projetada e cheia de dinamismo pelo que fazia.

Pintava com amor com estilo digamos que exatamente e extremamente diferente pois a mesma pensava que cada tela pintada, por ela iria combinar com o sofá da sala de cada pessoa. Ela apenas não pintava mais criava uma obra de arte perfeita e surreal.

Minha tia faleceu há três para quatro meses na cidade de Pesqueira/PE.

Era muito querida e respeitada pela sociedade pesqueirense. Ficaria muito feliz se a Câmara de Vereadores de Pesqueira ou seja os vereadores (as) fizesse uma menção honrosa em homenagem a Maria Cristina, levando esse projeto ao poder executivo, a prefeita da cidade.

A familia da pintora Maria Cristina iria ficar feliz ver o nome dela numa praça, escola, bairro e etc. 

Ia ser uma honra para a familia para os seus filhos e filhas. E pra mim também que sou sobrinho.

Embora eu sendo Baiano, carrego o sangue pernambucano nas minhas veias com orgulho.

Por Francisco Araújo  (sobrinho)

Francisco Araújo  (sobrinho)


Blogbraga/Participação e fotos de internauta

Compartilhar no Whatsapp

ABONO SALARIAL PIS COMEÇA A SER PAGO PARA TRABALHADORES NASCIDOS EM MARÇO E ABRIL

Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2019 / Brasil

Clientes da CAIXA recebem o crédito em conta no dia 19 e demais beneficiários podem sacar a partir do dia 21 de fevereiro

Nesta quinta-feira (21) começa o pagamento do Abono Salarial do PIS, calendário 2018/2019, para os trabalhadores nascidos em março e abril. Os valores variam de R$ 84 a R$ 998, de acordo com a quantidade de dias trabalhados durante o ano base 2017. Titulares de conta individual na CAIXA, com cadastro atualizado e movimentação na conta, recebem o crédito automático antecipado na terça-feira (19). O abono Salarial fica disponível para todos os beneficiários até 28 de junho de 2019.

 Para os nascidos em março e abril, estão disponíveis R$ 2.7 bilhões para 3.782.362 trabalhadores. O valor do benefício pode ser consultado no Aplicativo CAIXA Trabalhador, no site da CAIXA (www.caixa.gov.br/PIS) ou pelo Atendimento CAIXA ao Cidadão: 0800 726 0207. A CAIXA disponibiliza R$ 16,3 bilhões para 22,3 milhões de beneficiários em todo o calendário.

Dados Regionais

No estado da Bahia, 210.687 pessoas têm direito ao abono salarial do PIS, somando o valor de R$ 159.469.502,00.

Quem tem direito a sacar?

Tem direito ao benefício o trabalhador inscrito no Programa de Integração Social (PIS) ou no Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP) há pelo menos cinco anos e que tenha trabalhado formalmente por pelo menos 30 dias em 2017 com remuneração mensal média de até dois salários mínimos. Também é necessário que os dados estejam corretamente informados pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), ano-base 2017.

 Quem possui o Cartão do Cidadão e senha cadastrada pode se dirigir a uma casa lotérica, a um ponto de atendimento CAIXA Aqui ou aos terminais de autoatendimento da CAIXA. Caso não tenha o Cartão do Cidadão e não tenha recebido automaticamente em conta CAIXA, o valor pode ser retirado em qualquer agência da CAIXA, apresentando o documento de identificação.


Blogbraga/Assessoria de Imprensa da CAIXA

Compartilhar no Whatsapp

Horário de verão termina neste domingo em 10 estados e no DF

Sábado, 16 de Fevereiro de 2019 / Brasil

O horário de verão de 2018, que começou no dia 4 de novembro, termina à 0h deste domingo (17), ou meia-noite de sábado (16). Ao término do horário de verão, os moradores de 10 estados e do Distrito Federal devem atrasar o relógio em uma hora.

O ajuste vale para as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal).

Este ano, o horário de verão foi encurtado - começou mais tarde. Antes, ele se iniciava no terceiro domingo de outubro. Em dezembro de 2017, o presidente Michel Temer assinou decreto que encurtou a duração do horário de verão, atendendo a pedido do Tribunal Superior Eleitoral, para que o início do horário de verão não ocorresse entre o primeiro e o segundo turno da eleição.

O Palácio do Planalto chegou a informar em 2018 que, a pedido do Ministério da Educação, a entrada em vigor do horário seria adiada para dia 18 de novembro, a fim de não prejudicar provas do Enem, mas acabou decidindo manter a data de 4 de novembro.

As mudanças na data de início do horário de verão chegaram a causar confusão. No dia 15 de outubro, usuários de telefone celular reclamaram da mudança automática do horário em seus aparelhos para o horário de verão.

No Twitter, muitos consumidores reclamaram ter perdido uma hora de sono em pleno retorno de feriado e cobraram explicações da TIM.

Na semana seguinte, mais clientes de operadoras de celular passaram pela mesma situação, em que os relógios de seus aparelhos foram adiantados de forma automática para o horário de verão. Em São Paulo, alguns relógios de rua também foram adiantados.

Fim do horário de verão
O fim do horário de verão chegou a ser analisado pelo governo Temer, em 2017.

Um estudo do Ministério de Minas Energia apontou queda na efetividade da iniciativa, já que o perfil do consumo de eletricidade não estava mais ligado diretamente ao horário, mas sim à temperatura. Os picos de consumo foram registrados nas horas mais quentes do dia.

O Horário Brasileiro de Verão foi instituído pelo então presidente Getúlio Vargas, pela primeira vez, entre 3 de outubro de 1931 até 31 de março de 1932. Sua adoção foi posteriormente revogada em 1933, tendo sido sucedida por períodos de alternância entre sua aplicação ou não, e também por alterações entre os Estados e as regiões que o adotaram ao longo do tempo.

De acordo com o decreto nº 6.558, de 08 de setembro de 2008, modificado pelo decreto nº 9.242, de 15 de dezembro de 2017, a hora de verão fica instituída no Brasil da seguinte forma:

“Fica instituída a hora de verão, a partir de zero do primeiro domingo do mês de novembro de cada ano, até zero hora do terceiro domingo do mês de fevereiro do ano subsequente, em parte do território nacional, adiantada em sessenta minutos em relação à hora legal. No ano em que houver coincidência entre o domingo previsto para o término da hora de verão e o domingo de carnaval, o encerramento da hora de verão dar-se-á no domingo seguinte. A hora de verão vigorará nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal”.

O horário de verão também é adotado em países como Canadá, Austrália, Groelândia, México, Nova Zelândia, Chile, Paraguai e Uruguai. Por outro lado, Rússia, China e Japão, por exemplo, não implementam esta medida.


Blogbraga/G1

Compartilhar no Whatsapp

Hospital tenta encontrar família de paciente que morreu em Goiás; ex- morador de Luis Eduardo Magalhães

Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2019 / Brasil

O Hospital de Cocalzinho de Goiás tenta identificar a família de um paciente que morreu na última segunda-feira (11/02). 

De acordo com informações, a vítima um ex-morador de Luis Eduardo Magalhães conhecido carinhosamente como "Paraibinha".

O corpo deu entrada no Serviços de Verificação de Óbitos (SVO) na cidade de Anápolis/GO.

Qualquer informação que possa ajudar na identificação dos familiares será bem vindo.


Blogbraga/Participação e foto de internauta

Compartilhar no Whatsapp

Ricardo Boechat, jornalista, morre aos 66 anos em queda de helicóptero em SP

Segunda-feira, 11 de Fevereiro de 2019 / Brasil

Ricardo Boechat, em foto de março de 2006 — Foto: José Patrício/Estadão Conteúdo/Arquivo

Caminhão também se envolveu em acidente com helicóptero — Foto: TV Globo/Reprodução

O jornalista, apresentador e radialista Ricardo Eugênio Boechat morreu no início da tarde desta segunda-feira (11), aos 66 anos, em São Paulo.

O jornalista estava em helicóptero que caiu na Rodovia Anhanguera, em São Paulo, e bateu na parte dianteira de um caminhão que transitava pela via. O piloto também morreu no acidente.

Boechat era apresentador do Jornal da Band e da rádio BandNews FM e colunista da revista IstoÉ. Ele também trabalhou nos jornais “O Globo”, “O Dia”, “O Estado de S. Paulo” e “Jornal do Brasil” e foi comentarista no Bom Dia Brasil, da TV Globo. Ele ganhou três vezes o Prêmio Esso, um dos principais do jornalismo brasileiro. 

Boechat estava dando uma palestra em Campinas, no interior do estado, e retornava a São Paulo nesta segunda, de acordo com jornalistas da TV Band.

Acidente

O chamado de socorro foi feito às 12h14. A queda ocorreu perto do quilômetro 7 do Rodoanel, sentido Castelo Branco. De acordo com a CCR Rodoanel Oeste, que administra o Rodoanel, houve uma terceira vítima com ferimentos, o motorista do caminhão.

Segundo informações iniciais, o helicóptero era do hangar Sales, no Campo de Marte, na Zona Norte da capital paulista, que ficou destelhado após um vendaval nas últimas semanas.

Foram enviadas ao menos 11 viaturas para o local. A Polícia Rodoviária Estadual informou que a alça de acesso do Rodoanel à Rodovia Anhanguera precisou ser interditada. Já a rodovia não teve bloqueio.

Carreira

Ao longo de uma carreira iniciada na década de 1970, esteve jornais como “O Globo”, “O Estado de S. Paulo”, “Jornal do Brasil” e “O Dia”. Na década de 1990, teve uma coluna diária no “Bom Dia Brasil”, na TV Globo.

O perfil de Boechat no site da Band News FM informa que ele era o recordista de vitórias no Prêmio Comunique-se – e o único a ganhar em três categorias diferentes (Âncora de Rádio, Colunista de Notícia e Âncora de TV). Em pesquisa do site Jornalistas & Cia em 2014, que listou cem profissionais do setor, Boechat foi eleito o jornalista mais admirado. Boechat lançou em 1998 o livro “Copacabana Palace – Um hotel e sua história” (DBA).

Em pesquisa do site Jornalistas & Cia em 2014, que listou cem profissionais do setor, Boechat foi eleito o jornalista mais admirado. Boechat lançou em 1998 o livro “Copacabana Palace – Um hotel e sua história” (DBA).

Filho de diplomata, Ricardo Eugênio Boechat nasceu em 13 de julho de 1952, em Buenos Aires.


Blogbraga/G1

Compartilhar no Whatsapp

TRAGÉDIA: Flamengo cede imagens das arcadas dentárias ao IML para agilizar identificação dos corpos

Sábado, 09 de Fevereiro de 2019 / Brasil

O Flamengo entregou neste sábado (9) imagens das arcadas dentárias dos 10 jovens mortos no incêndio do Ninho do Urubu para agilizar a liberação dos corpos do Instituto Médico Legal do Rio (IML).

O incêndio aconteceu na sexta (8). Todas as vítimas eram atletas da base do time – tinham entre 14 e 16 anos. De acordo com o clube, há três jovens internados, dois deles em situação estável e conscientes; o terceiro está em estado grave. O fogo destruiu parte dos alojamentos em que eles estavam. A suspeita é que a causa seja um curto-circuito no ar-condicionado.

Até agora, apenas quatro dos 10 corpos foram identificados (veja lista abaixo). Treze jovens escaparam sem ferimentos. Eles disseram à polícia que quebraram janelas do alojamento para tentar salvar amigos.

Nove das 10 vítimas foram encontradas carbonizadas - não há informações sobre como o 10º corpo estava. As arcadas dentárias devem facilitar o reconhecimento das vítimas.

Às 9h, o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, chegou à sede da Gávea para reunião de crise.

Corpos identificados:

Arthur Vinícius de Barros Silva Freitas, liberado do IML na madrugada. O enterro será neste sábado em Volta Redonda (RJ);
Bernardo Pisetta, ainda no IML;
Pablo Henrique da Silva Matos, identificado por impressões digitais e liberado do IML na madrugada. O enterro será neste sábado em Oliveira (MG);
Victor Isaías, ainda no IML.

Aguardam identificação e liberação:

Athila Paixão, de 14 anos;
Christian Esmério, 15 anos;
Gedson Santos, 14 anos;
Jorge Eduardo Santos, 15 anos;
Rykelmo de Souza Vianna, 16 anos;
Samuel Thomas Rosa, 15 anos.

Pouco antes das 11h, familiares de Samuel Thomas Rosa chegaram ao IML do Rio para identificar o corpo.

Arthur Severiano Rodrigues de Souza, tio do jovem, disse que toda folga que Samuel tinha ia para a sua casa em Lages de Muriaé, no Noroeste Fluminense.

"Ele sabia que eu sou vascaíno, mas dizia que tinha de ser Flamengo. Dizia que isso [camisa do Flamengo] era um manto e me vestia. Agora deixei de ser Vasco e sou Flamengo. Vim assim em homenagem a ele", disse.

Vinicius de Souza, primo do Samuel, disse ele era muito brincalhão e adorava futebol.

"Ele era o nosso herói, guerreiro. Era muito especial. Não levava o futebol como trabalho, dizia que não queria muita coisa, que queria brincar. Futebol, pra ele, era uma brincadeira. Ele dizia: quero brincar, quero ser feliz e fazer aquilo que gosto", contou.

Relembre a tragédia

O INCÊNDIO

A tragédia aconteceu no fim da madrugada de sexta (8) no Ninho do Urubu, como é conhecido o Centro de Treinamento Jorge Helal, em Vargem Grande, Zona Oeste do Rio;

Foram dez mortos e três feridos. Treze escaparam ilesos;

No alojamento, dormiam garotos de 14 a 17 anos dos times juniores do Flamengo;

Por causa do temporal da última quinta (7), que deixara o Ninho do Urubu sem luz, treinos foram cancelados. Com isso, jovens que tinham residência no Rio puderam dormir em suas casas;

O incêndio começou às 5h07 em um dos seis módulos de contêineres adaptados para dormitórios. A hipótese mais provável é um curto-circuito em um ar-condicionado;

Câmeras de segurança registraram ainda explosões e muita fumaça. Tentativas de debelá-lo com água de bebedouros e extintores foram em vão;

Bombeiros chegaram rapidamente, mas já encontraram os contêineres envoltos em chamas. O fogo foi apagado às 6h30;

Três atletas foram levados para o Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra. Em estado mais grave está Jhonatan Ventura, com queimaduras em um terço do corpo;

Dez jovens foram encontrados sem vida. Todos vieram de fora da cidade do Rio.

A INVESTIGAÇÃO

Tanto a Prefeitura do Rio quanto o Corpo de Bombeiros do RJ afirmam que o CT do Flamengo tem pendências no licenciamento;

Segundo os bombeiros, o Ninho do Urubu ainda não tem o Certificado de Aprovação, que atesta o esquema contra incêndios. A corporação afirma que a documentação está em processo de regularização;

Já a prefeitura informou que o dormitório não tem licença. "A área de alojamento atingida pelo incêndio não consta do último projeto aprovado pela área de licenciamento, no dia 5 de abril de 2018, como edificada", diz em nota. "No projeto protocolado, a área está descrita como um estacionamento", frisa a prefeitura;

O município acrescentou que a atual licença do CT tem validade até 8 de março deste ano e que "não há registros de novo pedido de licenciamento da área para uso como dormitórios".


Blogbraga/G1

Compartilhar no Whatsapp

Pluma de rejeitos de Brumadinho não deve chegar ao São Francisco na Bahia

Segunda-feira, 04 de Fevereiro de 2019 / Brasil

Foto: Conexão Planeta

O último relatório divulgado pela Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), em 31 de janeiro, indicou que a pluma de rejeitos oriundos da barragem de Brumadinho encontrava-se no município de São José de Varginha, em Minas Gerais, e que os dados de monitoramento nos trechos de rio após o município indicavam valores de turbidez dentro da normalidade. A distância entre este município e o primeiro ponto de captação da Embasa no Rio São Francisco é de quase 800 km, sendo que, neste percurso, existem os reservatórios das usinas hidrelétricas de Retiro Baixo e de Três Marias.

A Embasa continuará acompanhando o monitoramento realizado pela CPRM, ANA, Igam, Copasa, Vale e Chesf em território mineiro e está intensificando o monitoramento da água bruta próxima aos pontos de captação da empresa no Rio São Francisco. Todas as ações contingenciais para reforçar os processos de tratamento de água estarão aptas a serem tomadas, caso se identifiquem anomalias na qualidade da água bruta, mas é possível afirmar a partir dos boletins oficiais, que são muito remotas as probabilidades de que essa contaminação afete o abastecimento público de água dos sistemas atendidos pela Embasa.

Não há previsão de data para que essa pluma, que se encontra a cada dia mais diluída, alcance a usina de Retiro Baixo. Como a geração hidrelétrica dessa barragem está suspensa, uma vez alcançado o lago a tendência é que haja sedimentação completa e a pluma fique contida nesse reservatório.  Tanto a CPRM quanto a CHESF, em notas oficiais, informaram que não há possibilidade de que a pluma alcance o reservatório de Três Marias, já no trecho mineiro do rio São Francisco. Mesmo com a pluma contida e sedimentada no reservatório de Retiro Baixo, alguns contaminantes dissolvidos, como metais, podem continuar seu trajeto pelo rio, passando pelo vertedouro dessa barragem e alcançando em algum momento o reservatório de Três Marias. No entanto, como o volume de água de Três Marias é extremamente elevado (cerca de 20 bilhões de metros cúbicos, sendo o sexto maior reservatório do país) o efeito da diluição será muito grande e possíveis impactos negativos a jusante (no sentido em que fluem as águas) serão minimizados.


Blogbraga/Assessoria de Comunicação da Embasa

Compartilhar no Whatsapp

Número de mortos sobe para 110 em MG; 238 pessoas seguem desaparecidas

Sexta-feira, 01 de Fevereiro de 2019 / Brasil

Mauro Pimentel Bombeiro abre passagem na mata, para procurar possíveis sobreviventes do rompimento de barragem em Brumadinho (MG) 

A Defesa Civil de Minas Gerais informou no fim da tarde desta quinta-feira (31) que subiu de 99 para 110 o número de mortos no rompimento da barragem da mina do Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho (MG).

Os desaparecidos no desastre, que ontem 259 na última atualização, agora são 238. Já foram identificados 71 corpos até o momento.

Segundo o tenente-coronel Flávio Godinho, coordenador-adjunto da Defesa Civil de Minas Gerais, o número deve aumentar nos próximos dias, com a continuidade dos trabalhos de resgate.

Ele reiterou que as pessoas da região devem evitar consumir a água do Rio Paraopeba. Godinho também garantiu que não vai faltar água nas cidades da região. “50 caminhões pipa com 20 mil litros de água potável estão fazendo entregas para todas as pessoas cadastradas na região”.

Aproximadamente 950 policiais militares seguem atuando na área de Brumadinho. Segundo o Major Flávio Santiago, porta-voz da Polícia Militar de Minas Gerais, dois terços já foram percorridos pela corporação. Ainda de acordo com Santiago, não existem registros de saques nas casas que foram abandonadas na região.

Arlen Bahia, delegado da Polícia Civil-MG, diz que 60 corpos já foram entregues aos familiares e 11 ainda estão no IML. Segundo ele, ainda é possível identificar alguns corpos pela impressão digital, mas nos próximos dias, eles devem ser identificados apenas pelo DNA, por causa da decomposição. O delegado também afirmou que a prioridade é a liberação dos corpos e, por isso, a delegacia da cidade vai funcionar em horário estendido.

De acordo com o porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, tenente Pedro Aihara, a operação entrou em uma fase difícil porque os corpos que serão localizados vão demandar um trabalho de escavação. “A velocidade no trabalho de resgate dos corpos deve ser menor”. Aihara também disse que as pancadas de chuva na região atrapalharam as atividades dos bombeiros. Apesar disso, não existe possibilidade de novos deslizamentos: “A barragem está estável e não oferece risco de novo rompimento”.

Segundo ele, a maioria dos corpos encontrados nesta quinta-feira estavam no refeitório da Vale.

Aihara também explicou que vai receber reforço dos Estados de São Paulo e Santa Catarina: “Estamos operando com cerca de 370 pessoas e esse número deve se manter nos próximos dias”.


Blogbraga/MSN

Compartilhar no Whatsapp

Primeiro baiano, santo-amarense é achado morto na tragédia de Brumadinho

Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2019 / Brasil

Imagem ilustrativa: Foto - Folha PE

O primeiro baiano foi encontrado morto na tragédia de Brumadinho, quando uma barragem se rompeu na última sexta-feira (25). O jovem trabalhava no terreno da Vale quando a barragem de rejeitos rompeu. 

Ednilson dos Santos Cruz, de 23 anos, é natural da cidade de Santo Amaro, no recôncavo da Bahia mas morava em Mário Campos (MG), a cerca de 8 km de Brumadinho, há 10 anos. Ele era casado e a esposa dele está grávida de uma menina.

Assim como os outros seis baianos desaparecidos, Ednilson era funcionário de uma empresa terceirizada, que prestava serviços para a Vale. Segundo Edmilson Evangelista, pai de Ednilson, o filho foi encontrado morto na segunda (28) por familiares que trabalham como voluntários no local da tragédia. 

O sepultamento aconteceu nesta terça (29), na cidade de Mário Campos, e foi custeado pela Vale.


Blogbraga/BN

Compartilhar no Whatsapp

Número de mortos em Brumadinho sobe para 99, e 259 estão desaparecidos

Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2019 / Brasil

Buscas estão no sexto dia. Tragédia foi provocada pelo rompimento de barragem da Vale em Minas Gerais; mineradora diz que vai doar R$ 100 mil a famílias de vítimas.

Bombeiros seguem buscas por vítimas e desaparecidos no Parque das cachoeiras, em Bumadinho, onde alguns corpos foram encontrados após rompimento de barragem da Vale — Foto: Carlos Eduardo Alvim

A Defesa Civil de Minas Gerais informou, no fim da tarde desta quarta-feira (30), que há 99 mortos e 259 desaparecidos após a tragédia provocada pelo rompimento de uma barragem da mineradora Vale em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG). Neste sexto dia de buscas, a chuva forte fez com que houvesse interrupções pontuais nos trabalhos.

Dos 99 mortos confirmados até agora, 57 já foram identificados. Há ainda 259 desaparecidos. O número de pessoas desalojadas subiu de 135 para 175, segundo o governo de Minas Gerais.

A barragem de rejeitos, que ficava na mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, se rompeu na sexta-feira (25). O mar de lama varreu a comunidade local e parte do centro administrativo e do refeitório da Vale. Entre as vítimas, estão pessoas que moravam no entorno e funcionários da mineradora. A vegetação e rios foram atingidos.

Os bombeiros têm de fazer um trabalho milimétrico numa imensa área de lama. Os corpos e destroços estão espalhados por uma extensão de 9 km, entre a barragem rompida e o rio Paraopeba.

Números da tragédia
99 mortos confirmados – 57 identificados
259 desaparecidos 
192 resgatados 
393 localizados

Os corpos resgatados da lama chegam ao Instituto Médico Legal (IML) em estado avançado de decomposição, disse delegado da Polícia Civil Arlen Bahia. "Então, a partir daí, principalmente em relação aos segmentos corpóreos, nós temos de montar um quebra-cabeça", afirmou. Diante da impossibilidade de reconhecimento facial por impressões digitais, exames odontológicos e de DNA começam a ser feitos para identificação das vítimas.

De acordo com o delegado, uma força-tarefa foi montada para agilizar a realização e divulgação desses exames. Ele afirmou ainda que, nesta quarta, o IML passou a fazer agendamentos para colher material para exames de arcada dentária e de DNA.

O porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, tenente Pedro Aihara, comentou as dificuldades do trabalho de buscas. "Em primeiro lugar, é bem impactante.

Pela força da lama, muitas vezes não é possível encontrar o corpo íntegro. Muitas vezes, são localizados segmentos de corpos", descreveu. Segundo ele, o fato de o ambiente estar "tomado de lama" por vezes impede diferenciar corpos humanos de outras matérias orgânicas ou animais.

"Às vezes, na busca visual no sobrevoo [de helicóptero], como a gente tem aquele tom todo monocromático, isso também prejudica. Por isso que a gente utilizou uma série de equipamentos específicos. Os corpos que estavam no nível superficial – já foi feito o trabalho de recuperação deles. Agora, entra numa característica mais técnica da operação, precisa fazer várias escavações."

Aihara descreveu a lama como "um dos terrenos mais difíceis de se trabalhar", por se tratar um material "flexível, maleável". Ao contrário do concreto, por exemplo, ela não permite o uso de maquinário pesado nas operações. "E também ela é mais difícil que a água – quando tem situações de enchente, de inundações –, porque água permite que a gente identifique os corpos com muita facilidade."

Desde sábado (26), não são achados sobreviventes. Para os bombeiros, é muito pequena a possibilidade de achar alguém vivo em meio ao mar de lama. As buscas nesta quarta foram encerradas por volta das 21h. A previsão é que os trabalhos recomecem às 4h desta quinta-feira (31).

O tenente coronel Flávio Godinho, da Defesa Civil, afirmou ainda que a Vale vai estabelecer sete pontos de acolhimento para as vítimas.

Nesses locais, deve haver psicólogos, assistentes sociais, médicos e enfermeiros. Será oferecida alimentação à população presente, e também deve haver atendimento em relação a direitos trabalhistas e questões jurídicas. Todos devem receber transporte para esses locais de acolhimento e para o IML.

Neste sexto dia, dez corpos foram localizados na área onde ficava o refeitório da Vale, explicou o porta-voz dos bombeiros na entrevista coletiva no final da tarde, quando falou sobre o balanço dos trabalhos deste sexto dia de buscas.

O tenente Aihara também explicou que os trabalhos foram interrompidos das 14h30 às 15h30, em razão do enterro de uma criança vítima da tragédia. A cerimônia ocorreu ao lado da igreja que fica perto da área de pouso dos helicópteros.

As buscas são feitas em todo o perímetro afetado pela lama – os bombeiros dividiram a área afetada em 18 pontos.

"As equipes da 'zona quente' [onde é provável a concentração de corpos] começam o trabalho a partir das 4h da manhã. As interrupções [por conta das chuvas à tarde] foram breves. Como foram apenas pancadas, a atividade aérea não foi afetada", afirmou o Aihara. Ao todo, 15 helicópteros são usados pelas equipes de resgate. Os sobrevoos foram interrompidos por um período de 10 a 15 minutos.

Segundo ele, o temporal da tarde desta quarta, com chuva de granizo em alguns pontos de Brumadinho, "vai alterar a questão da flexibilidade da lama".

Há 320 bombeiros brasileiros trabalhando no operação, incluindo reforços de São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás, Alagoas e Maranhão. Também são esperadas tropas de Santa Catarina e do Espírito Santo.

Além disso, há uma equipe de 136 militares enviada pelo governo de Israel. A previsão inicial era de que eles participariam dos trabalhos até a sexta-feira (1º), mas esse tempo de permanência deve ser reavaliado. A tropa israelense trouxe equipamentos para mapeamento de celulares, sonares, radar que detecta o tipo de material que está no local e drones ligados a satélites para mapear a área atingida. Um dos artefatos é capaz de encontrar pessoas com vida a 30 metros de profundidade.

Em entrevista no início da tarde desta quarta, Aihara havia dito ser falsa a informação de que militares foram intoxicados pela lama. Também disse que a população não precisa se preocupar com risco de intoxicação.

Ainda segundo o tenente Aihara, voluntários tiveram permissão para auxiliar o trabalho em algumas áreas consideradas "mornas" ou "frias" – ao contrário das áreas quentes, esses locais, em princípio, não são considerados como prováveis pontos em que há vítimas. "Eles fazem um trabalho de identificando com binóculos verificando se há algum vestígio de possível identificação de algum corpo."

Militares israelenses trabalham próximo ao local em que ficava o refeitório da Vale — Foto: Raphael Singer

Mau cheiro dos corpos

Os bombeiros passaram a usar máscaras no trabalho de resgate em razão do mau cheiro dos corpos em decomposição, que já atraem dezenas de urubus ao local.

Repórter da TV Globo Minas, Danilo Girundi comentou que o odor tem piorado com o passar dos dias. "Parece que o calor e o ressacamento da lama favorecem isso", disse. "Hoje, percebemos todos os bombeiros usando máscaras no rosto."

De acordo com a assessoria de comunicação da corporação, as máscaras de proteção têm dupla função: evitar a inalação de resíduos tóxicos e dos equipamentos que eles estão utilizando nas buscas e, também, que os soldados sintam tão fortemente o mau cheiro.

Bombeiro faz pausa em trabalho de buscas nesta quarta (30) em Brumadinho, Minas Gerais — Foto: Lincon Zarbietti/O Tempo/Estadão Conteúdo

Cansaço dos bombeiros

Como nem sempre é possível que os bombeiros fiquem em pé, eles precisam se arrastar em alguns trechos – do contrário, afundariam na lama. Em certos pontos, a lama chega à altura da cintura.

O tenente Pedro Aihara explicou que os militares estão sendo submetidos a um rodízio para que possam descansar: "Os militares não estão há seis dias ininterruptos. Estão numa lógica de rodízio, mas evidente que pelo tipo de operação e pela demanda que a gente tem é um serviço extenuante".

"Têm circulado vídeos que mostram o cansaço físico e a exaustão, mas isso é inerente à nossa própria atividade. Ao final de uma operação como essa, nós saímos desgastados física e psicologicamente, mas, para tudo isso, é feito um acompanhamento", disse o porta-voz dos bombeiros.

"A abnegação desses profissionais demonstra muito o esforço e a preocupação que a gente tem de trazer esses corpos da maneira mais respeitosa e rápida possível."

Depoimentos de sobreviventes

A Polícia Civil de Minas Gerais informou ouviu nesta quarta cinco sobreviventes da tragédia de Brumadinho na investigação sobre as causas do rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão. O nome deles e o teor do depoimento não foram divulgados.

O delegado da Polícia Civil Arlen Bahia disse que é "prematuro" chegar a conclusões após os depoimentos. Outras pessoas ainda serão ouvidas.

“A princípio, nós vamos formalizar a prova subjetiva com esses cinco sobreviventes justamente para traçar até a dinâmica delitiva (...) Eles estavam na área crítica, onde efetivamente ocorreram os fatos”, afirmou o delegado em entrevista coletiva.

Doação da Vale

As famílias de vítimas da tragédia vão receber R$ 100 mil da Vale, independentemente de eventuais indenizações.

Em entrevista na manhã desta quarta, o porta-voz do Comitê de Respostas Imediatas da empresa, Sérgio Leite, afirmou que este valor é por vítima. Ou seja, famílias que perderam mais de um parente receberão proporcionalmente.

Segundo ele, o dinheiro deve estar disponível nos próximos três dias. As famílias que têm direito à doação devem ir a um dos postos de atendimento criados pela Vale, a Estação de Conhecimento e o Centro Comunitário de Feijão, a partir das 14h da quinta-feira (31).

Além destes dois pontos, a mineradora diz que criou um canal de atendimento telefônico para tirar dúvidas das famílias de vítimas da tragédia.

Animais resgatados

Pelo menos 45 animais foram resgatados com vida nesta quarta pelo Corpo de Bombeiros em Brumadinho. A informação foi postada pela corporação nas redes sociais, com uma foto de uma galinha retirada da lama.

Além disso, três animais foram sacrificados, informou o porta-voz dos bombeiros. Ainda nesta terça, questionado sobre os casos de eutanásia, o tenente Aihara explicou que "em alguns casos, o resgate não é viável pelo sofrimento do animal".

"No caso de alguns animais, que sofreram fraturas e perfurações, não é ético insistir. Seguimos as determinações e normativas. O abate só é feito após uma análise bastante cuidadosa e quando é devidamente autorizada. Via de regra, é feito com injeção letal, mas outras situações específicas devem ser analisadas. O Corpo de Bombeiros tem essa preocupação também."

Segundo autoridades, o abate geralmente é feito com injeção letal, mas isso pode mudar de acordo com a logística.

Em nota divulgada nesta terça, a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas Gerais informou que "em nenhum momento houve autorização por parte do Gabinete Militar do Governador/coordenadoria Estadual de Defesa Civil para o abate de animais aleatoriamente ou por meio de métodos em desacordo com as normas".

Nesta quarta, a Vale divulgou comunicado dizendo ter alugado uma fazenda para receber os animais resgatados. "Chamada de Hospital de Campanha, a fazenda possui baias e coches para bovinos, piquetes para ovinos e suínos, gradil para cães, área para animais silvestres e uma piscina para acomodar peixes", diz a nota.


Blogbraga/G1

Compartilhar no Whatsapp

Nota de apoio à atuação dos médicos-veterinários em Brumadinho/MG

Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2019 / Brasil

Foto: Exame

O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) informa que os médicos-veterinários da Comissão de Bem-Estar Animal, do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-MG), estão acompanhando os trabalhos de resgate de animais em Brumadinho/MG, em função do rompimento da barragem do Córrego do Feijão.

Sob a supervisão de equipe veterinária, nesta segunda-feira (28/1), dois animais (um equino e um bovino), que estavam atolados há 4 dias em local de difícil acesso, tiveram de ser abatidos por meio de rifle sanitário.

Os animais encontravam-se em local sem condições de segurança para serem içados, presos em área que oferecia riscos aos socorristas e sem possibilidade de acesso para intervenção de outra técnica de eutanásia.

Com base na  Resolução CFMV nº 1000/2012, a decisão da equipe envolvida foi estritamente técnica, uma vez que os animais já estavam debilitados, desidratados e em sofrimento.

De acordo com artigo 3º da Resolução 1000, a eutanásia pode ser indicada quando “o bem-estar do animal estiver comprometido de forma irreversível, sendo um meio de eliminar a dor ou o sofrimento dos animais, os quais não podem ser controlados por meio de analgésicos, de sedativos ou de outros tratamentos”.

E a norma ainda deixa claro, em seu artigo 10, que a escolha do método dependerá da espécie animal envolvida, da idade e do estado fisiológico dos animais, bem como dos meios disponíveis para a contenção.

Adicionalmente, a Resolução CFMV nº 1.236/2018  (art. 5º, XXIX, parágrafo 1º) excetua o abate e a eutanásia da condição de maus-tratos. 

O CFMV entende que o momento é delicado, requer deliberação profissional complexa, envolve preceitos técnicos e éticos, não sendo uma decisão trivial, mesmo para médicos-veterinários experientes. No entanto, o CFMV reconhece e apoia o trabalho que vem sendo feito pela equipe do CRMV-MG, que segue comprometida com os protocolos e práticas de bem-estar animal. Os profissionais envolvidos possuem experiência em ocasiões de desastres ambientais e já atuaram, inclusive, no rompimento das barragens em Mariana e nas inundações do município de Rio Casca.

O Conselho alerta que os peritos oficiais estão coletando vestígios para apurar as causas do rompimento da barragem e, por isso, o acesso ao local está restrito às equipes previamente autorizadas. Para não interferir nas investigações, nem prejudicar a produção de provas, as autoridades pedem calma e paciência, pois as equipes de salvamento já estão empenhadas no resgate dos animais da melhor maneira possível e garantindo a segurança de todos.

Nota técnica da Comissão Nacional de Bem-Estar Animal (Cobea) do CFMV

Por convicção, inspiração cívica e comprometimento com o bem-estar dos animais envolvidos na catástrofe de Brumadinho (MG), os médicos-veterinários brasileiros em atividade no local, voluntários ou não, estão buscando minimizar os danos à saúde física e mental dos animais presentes na área do acidente.

Cabe frisar que todo médico-veterinário possui formação técnica para realizar o diagnóstico das condições de saúde dos animais e, em casos extremos, de acordo com as resoluções técnicas do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), proceder com o sacrifício humanitário ou com a eutanásia.

Ressalta-se que o método de escolha para o sacrifício passa também pelas condições em que o animal se encontra. Zonas de guerra, de acidentes de grandes magnitudes ou de catástrofes naturais muitas vezes são áreas cujas variáveis do ambiente não estão sob o controle do médico-veterinário. Assim sendo, e não havendo condições de segurança ou de acesso até o animal para remoção ou contenção química por anestésicos, o sacrifício com o uso de rifle é aceito.

Quando corretamente aplicado, por profissional apto e habilitado, o projétil produz dano cerebral grave e irreversível, induzindo o animal à imediata inconsciência e insensibilidade, eventos que antecedem e garantem morte rápida e indolor. Por ser uma técnica humanitária e por permitir mitigar de maneira rápida o sofrimento dos animais em zonas de catástrofes, este método é amplamente difundido e recomendado pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), bem como pelo CFMV.

A decisão de sacrificar um animal não é algo fácil para nenhum profissional. Certamente é o momento mais difícil na vida de qualquer médico-veterinário. Possivelmente, os traumas produzidos em circunstâncias de sacrifício em massa e em áreas de catástrofes sejam similares aos traumas de guerra. 

Sendo assim, neste momento, em que centenas de animais precisam de socorro e em que dezenas de veterinários estão assumindo para si esta responsabilidade, o que se espera da sociedade brasileira é o mais sincero apoio a cada um dos profissionais presentes hoje em Brumadinho (MG).


Blogbraga/Assessoria de Comunicação do CFMV

Compartilhar no Whatsapp

Sobe para 84 o número de mortos em Brumadinho; há 276 desaparecidos

Terça-feira, 29 de Janeiro de 2019 / Brasil

O número de vítimas fatais após o rompimento da barragem Mina do Feijão, em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, subiu para 84, segundo informou o coordenador da Defesa Civil de MG, major Flávio Godinho, na noite desta terça-feira (29). Conforme o porta-voz, 135 pessoas estão desabrigadas.

Há ainda 276 pessoas desaparecidas, enquanto 192 foram resgatadas com vida e 390 localizadas (244 são da Vale). A Polícia Civil de Minas informou que 42 mortos já foram identificados.

O porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, tenente Pedro Aihara, confirmou que nenhuma vítima foi encontrada com vida nesta terça. "A possibilidade de encontrar pessoas com vida é muito pequena [a partir de agora]", disse ele, relembrando ainda que desde sábado (26) que não são encontrados sobreviventes. 

O presidente da Vale, Fabio Schvarstman, disse estar "consternado" com o rompimento da barragem da mineradora e afirmou que não conhece as causas da tragédia nem sua dimensão exata. A empresa disse que iria enviar R$ 100 mil para cada família afetada pelo rompimento, algo que chamou de "doação emergencial" e não tem relação com futuras indenizações. 

Um gabinete de crise da tragédia em Brumadinho foi estruturado na Faculdade Asa, que fica a pouco mais de seis quilômetros do local do acidente. 


Blogbraga/Fonte: Notícia ao Minuto.

Compartilhar no Whatsapp

MG: Número de mortos em Brumadinho já chega a 65, dizem Bombeiros

Terça-feira, 29 de Janeiro de 2019 / Brasil

Cinco engenheiros que atestaram a segurança da barragem 1 da Mina do Feijão foram presos na manhã desta terça-feira, dois em SP e três em MG. Bombeiros confirmam 65 mortos e 279 desaparecidos

As buscas pelas vítimas do rompimento da barragem da mineradora Vale na Mina Feijão, em Brumadinho (MG) foram retomadas na manhã desta terça-feira. A avalanche de lama e rejeitos de mineração que devastou parte da cidade da região metropolitana de Belo Horizonte na última sexta-feira, 25 de janeiro, deixou 65 mortes confirmadas, mas os bombeiros, que trabalham nas buscas e resgate de soterrados, estimam em ao menos 279 os desaparecidos.

De acordo com o porta G1, cinco engenheiros que atestaram a segurança da barragem 1 da Mina do Feijão, em Brumadinho, foram presos na manhã desta terça-feira, dois em São Paulo e três em Minas Gerais. A Polícia Federal em São Paulo também participa da operação e cumpre dois mandados de busca e apreensão em empresas que prestaram serviços para a Vale. O nome das empresas ainda não foi divulgado.

O tsunami de barro causou um rastro de destruição: casas, pousadas e sítios foram soterrados e a lama poluente atingiu o rio Paraopeba, um dos afluentes do rio São Francisco. Familiares e amigos das vítimas reclamam de falta de informações e apoio por parte da Vale.


Blogbraga/EL País

Compartilhar no Whatsapp

CAIXA DIVULGA NOVAS AÇÕES PARA APOIAR POPULAÇÃO EM BRUMADINHO

Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2019 / Brasil

Foto: Abril

A CAIXA tomou novas medidas em apoio à população de Brumadinho, após o rompimento da barragem em Minas Gerais. O objetivo é ajudar clientes, empresas, beneficiários de programas sociais e os moradores em geral, atingidos na região.

Para os clientes do município, será concedida pausa especial de pagamento até 90 dias nas operações de Crédito Pessoal e Crédito Direto ao Consumidor (CDC), além de até 60 dias de carência para 1ª parcela em novos contratos. Haverá isenção de três meses também nas tarifas da cesta serviços para os correntistas.

Para as empresas da região, o banco concederá pausa de até três meses para pagamento das parcelas das operações de crédito e isenção de cesta de serviços pelo período de três meses para correntistas. No crédito habitacional, haverá pausa de até 90 dias nas prestações do financiamento imobiliário.

Atendimento na região:

Além de estender o horário de atendimento das agências de Brumadinho e próximas ao município, a CAIXA deslocou um Caminhão-agência, que trará reforço para o atendimento bancário na cidade a partir desta terça-feira (29). As Agências em Brumadinho, Betim, Contagem e as unidades de Belo Horizonte também funcionarão como ponto de recebimento de doações de água, material de higiene e limpeza.

A CAIXA também abriu uma conta para que brasileiros de todo o país possam enviar ajuda aos atingidos pela tragédia. Os dados da conta poupança, com nome Juntos por Brumadinho, são: agência 2808, operação 013, conta 3-5.

Liberação de FGTS:

Os trabalhadores que tiverem residência na área afetada poderão solicitar o saque do FGTS, conforme previsto na Lei 10.878/04. A referida lei autoriza a liberação de valores do Fundo em áreas atingidas por desastre natural a partir da decretação de estado de calamidade ou situação de emergência pelo Governo do Município ou do Estado e confirmação pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, providências já adotadas para o caso de Brumadinho.

A partir da delimitação da área efetivamente afetada pelo Governo Municipal/Defesa Civil, já em curso, a CAIXA procederá a liberação do FGTS, no limite máximo de R$ 6.220,00 por trabalhador.


Blogbraga/Assessoria de Imprensa da CAIXA

Compartilhar no Whatsapp

Número de mortos em Brumadinho sobe para 58; há 305 desaparecidos

Domingo, 27 de Janeiro de 2019 / Brasil

Nenhum sobrevivente foi encontrado neste domingo (27)

O número de vítimas fatais após o rompimento da barragem Mina do Feijão, em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte, subiu para 58, segundo informou o Governo de Minas na noite deste domingo (27).

Há ainda 305 pessoas ainda desaparecidas, enquanto 192 foram resgatadas com vida até o sábado (26). Há vítimas hospitalizadas e desabrigadas. 

"Não sabemos a quantidade de corpos ainda, mas os trabalhos estão sendo feitos. Por conta desse fato, vamos estender as buscas neste domingo", afirmou o tenente-coronel Flávio Godinho, da Defesa Civil de Minas Gerais.

Polícia Civil de Minas informou que 17 mortos já foram identificados; veja a lista com os nomes das vítimas.

O presidente da Vale, Fabio Schvarstman, disse estar "consternado" com o rompimento da barragem da mineradora e afirmou que não conhece as causas da tragédia nem sua dimensão exata.

Um gabinete de crise da tragédia em Brumadinho  foi estruturado na Faculdade Asa, que fica a pouco mais de seis quilômetros do local do acidente. 

Em entrevista a uma rádio de Brumadinho, presidente Jair Bolsonaro afirmou que o rompimento da barragem da cidade poderia ser evitado.

Tudo sobre o rompimento da barragem em Brumadinho


Blogbraga/Notícias Ao Minuto

Compartilhar no Whatsapp

Aos 64 anos, morre o apresentador e deputado estadual Wagner Montes

Domingo, 27 de Janeiro de 2019 / Brasil

Faleceu na manhã deste sábado (26) o apresentador e deputado estadual Wagner Montes. A causa da morte ainda não foi divulgada. A informação foi confirmada pela Record TV, emissora pela qual era contratado. Wagner tinha 64 anos.

O apresentador estava internado há dois meses no hospital Barra D’Or, no Rio de Janeiro, para tratar uma infecção urinária. Já em novembro de 2018, ele chegou a sofrer um infarto, mas conseguiu se recuperar e voltar ao trabalho.

Além de apresentar o Balanço Geral no Rio de Janeiro, Wagner era deputado pelo PRB no mesmo estado, bem como formado em Direito.

Por outro lado, ele ganhou fama ao apresentar o Aqui Agora, na TV Tupi, e participar de programas de calouros no SBT.

Casado com a atriz Sônia Lima, o apresentador era pai do político e também apresentador Wagner Montes Filho e o ator Diego Montez.

“Eu nunca tive medo de morrer”, diz Wagner Montes sobre problemas de saúde que teve


Blogbraga/Bol

Compartilhar no Whatsapp

Sobe para 11 número de mortos em Brumadinho

Sábado, 26 de Janeiro de 2019 / Brasil

O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais atualizaram para 11 o número de corpos resgatados após o rompimento da barragem re rejeitos da mineradora Vale em Brumadinho. De acordo com a corporação, um ônibus com funcionários da empresa já foi localizado e nenhum dos ocupantes sobreviveu.

“Como é um local de difícil acesso e precisamos de um maquinário especial para acessar a estrutura e retirar essas vítimas, ainda não fechamos o número de óbitos. Mas esse número de óbitos vai aumentar”, informou o Corpo de Bombeiros.

Desaparecidos

Conforme os dados, 166 funcionários da Vale e 130 terceirizados estão desaparecidos.

Das 176 pessoas encontradas com vida, 23 estão hospitalizadas.


Blogbraga/Agência Brasil

Compartilhar no Whatsapp

Rompimento de barragem em Brumadinho deixa sete mortos, diz governo de MG

Sexta-feira, 25 de Janeiro de 2019 / Brasil

Foto: Rede sociais

O governo de Minas Gerais divulgou, na noite desta sexta-feira (25), que sete pessoas morreram com o rompimento de barragem da Vale ocorrido na cidade de Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte. Ainda não há identificação das pessoas que morreram.

Segundo o governo, foram retiradas nove pessoas com vida da lama e cerca de 100 pessoas ilhadas foram resgatadas. Dados repassados pela Vale ao governador de Minas, Romeu Zema (Novo), indicaram que havia 427 pessoas no local - e 279 foram resgatadas vivas. 

Quase 100 bombeiros foram deslocados para a região para buscar pessoas desaparecidas. O contingente, segundo o governo de Minas Gerais, será dobrado a partir da madrugada deste sábado (26).

'Dano humano será maior'
Em entrevista nesta sexta-feira, o presidente da Vale, Fabio Schvartsman, se disse "arrasado". "Dessa vez o dano ambiental será muito menor que em Mariana, mas o humano será maior", disse Schvartsman, recém-chegado de Davos, na Suíça.

Schvartsman se refere ao rompimento de uma barragem da Samarco em Mariana (MG), em novembro de 2015. A lama atingiu o distrito de Bento Rodrigues, matando 19 pessoas.


Blogbraga/Gauchazh

Compartilhar no Whatsapp

Caio Junqueira morre no Rio de Janeiro; ator tinha sofrido grave acidente de carro

Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2019 / Brasil

O ator Caio Junqueira, que ficou famoso por participação no filme "Tropa de Elite" morreu aos 42 anos nesta quarta-feira (23), no Rio de Janeiro, segundo o G1. 

Na última semana, ele sofreu um acidente enquanto dirigia por uma avenida na capital fluminense. Na ocasião, o artista tinha ficado preso nas ferragens desacordado e foi encaminhado para o Hospital Municipal Miguel Couto em estado grave. 

Caio iniciou a carreira ainda criança e participou de mais de 20 produções televisivas, além de 10 curtas e 15 longas. Na Globo, ele fez várias séries e novelas como "Desejo", "A viagem", "Engraçadinha, seus amores e seus pecados", "Hilda furacão", "O clone", "Um anjo caiu do céu", "O quinto dos infernos" e "Chiquinha Gonzaga". 

Contudo, seu papel mais lembrado é o aspirante Neto, oficial recém-formado da Polícia Militar do Rio de Janeiro, no filme "Tropa de Elite". O trabalho mais recente foi o personagem Henrique Villa Verde, na série "O mecanismo", da Netflix. 


Blogbraga/G1

Compartilhar no Whatsapp

Enem 2018: resultado é divulgado pelo Inep; veja como consultar a nota

Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2019 / Brasil

Resultado do Enem 2018 mostra apenas as notas: espelho da redação só será divulgado em 18 de março, segundo o Inep — Foto: Reprodução/Inep

As notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 foram divulgadas na manhã desta sexta-feira (18). Para acessar, os candidatos que fizeram o exame devem entrar na Página do Participante (https://enem.inep.gov.br/participante/), incluir o CPF e a senha cadastrada. A nota do Enem só pode ser consultada individualmente.

Inicialmente, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) havia divulgado que as notas sairiam a partir das 10h desta sexta. Porém, o resultado já estava disponível por volta das 8h20. Ao G1, o Inep esclareceu que a liberação das notas costuma ser antecipada para que, até o horário oficial da divulgação, o sistema passe por um período considerado de teste, quando pode passar por momentos de sobrecarga.

O objetivo desse teste, segundo o Inep, é garantir que, às 10h, o acesso de todos os cerca de 4 milhões de participantes do Enem esteja estável e não fique sobrecarregado.

De acordo com o Inep, o resultado dos treineiros e o espelho da redação estarão disponíveis no dia 18 de março.

Sisu 2019

Com a nota do Enem 2018, os candidatos podem se inscrever no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2019. O prazo começa na próxima terça (22) e encerra na sexta-feira (25). A inscrição é feita pelo site do programa: http://sisu.mec.gov.br/.

Neste primeiro semestre, serão ofertadas 235.476 vagas em 129 instituições de todo o país. No site do Sisu é possível escolher duas opções de curso. Quem teve melhor pontuação no Enem tem mais chances de conquistar a vaga.

Calendário do Sisu 1º semestre de 2019

Inscrições: 22/1 a 25/1
1ª chamada: 28/1
Matrículas da 1ª chamada: 30/1 a 4/2
Inscrição na lista de espera: 28/1 a 4/2
Convocações de outras chamadas: a partir de 7/2
Além do Sisu, as notas do Enem podem ser usadas pelos candidatos no Programa Universidade para Todos (
ProUni), Financiamento Estudantil (Fies), e em 37 universidades de Portugal.

De acordo com o Ministério da Educação (MEC), o Enem é a segunda maior prova do tipo no mundo, só perdendo para o "gao kao", prova de admissão ao ensino superior da China, com 9 milhões de candidatos.

Caderno de provas azul do segundo dia de Enem 2018 — Foto: G1/G1


Blogbraga/G1

Compartilhar no Whatsapp

Marciano, cantor sertanejo, morre aos 67 anos

Sexta-feira, 18 de Janeiro de 2019 / Brasil

O cantor sertanejo Marciano, que marcou a história da música sertaneja ao lado de João Mineiro, morreu aos 67 anos, em sua casa em São Caetano do Sul, São Paulo. A informação foi confirmada na rede social do cantor:

"É com imenso pesar que, em nota, confirmamos o falecimento do cantor Marciano, o Inimitável. Em breve, divulgaremos mais informações. Nesse momento, agradecemos o carinho de todos e pedimos orações à família."

Segundo uma amiga da família, o velório acontecerá na Câmara Municipal de São Caetano do Sul.

O cantor, que nos últimos anos usava o título de “O Inimitável”, iniciou a carreira na década de 1970 formando a dupla Marciano e João Mineiro. Juntos, eles fizeram hits como “Ainda ontem chorei de saudade”, “Se eu não puder te esquecer”, entre outras.

O artista também é um dos compositores de “Fio de cabelo”, um dos maiores sucessos da música sertaneja. Com mais de 400 regravações, a canção de 1981 é uma das mais lembrada em bares e karaokês. “Quando a gente canta, o povão canta junto. É emocionante”.

Após a morte de João Mineiro, em 2012, José Marciano iniciou um projeto ao lado de Milionário (ex-dupla de José Rico, que morreu em 2015). O projeto dos dois foi chamado de "Lendas" e rendeu a gravação de um DVD em 2015, sendo lançado no mercado no ano seguinte.


Blogbraga/G1

Compartilhar no Whatsapp

Battisti ficará sozinho em cela de alta segurança por seis meses

Segunda-feira, 14 de Janeiro de 2019 / Brasil

O italiano Cesare Battisti, 64 anos, vai cumprir pena na prisão de Rebibbia, em Roma, numa cela sozinho, em área de alta segurança reservada a terroristas e em regime de isolamento por um período de seis meses.

Battisti chegou hoje (14) ao Aeroporto de Roma Ciampino, na capital italiana. Vestindo calça jeans e uma jaqueta marrom, ele desceu do avião sem algemas e foi recebido por agentes do grupo operacional móvel da polícia penitenciária.

O italiano foi capturado no último sábado (12) nas ruas de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, por agentes bolivianos em parceria com italianos. Segundo um vídeo feito no momento da prisão, ele usava barba, óculos de sol, jeans e camiseta azul. Não mostrou resistência, não apresentou documentos e respondeu a algumas perguntas em português.

Condenado à prisão perpétua na Itália, Battisti foi sentenciado pelo assassinato de quatro pessoas na década de 1970, quando integrava o grupo Proletários Armados pelo Comunismo, um braço das Brigadas Vermelhas. Ele se diz inocente. Para as autoridades brasileiras, é considerado terrorista.

No Brasil desde 2004, o italiano foi preso três anos depois. O governo da Itália pediu sua extradição, aceita pelo Supremo Tribunal Federal. Contudo, no último dia de seu mandato, em dezembro de 2010, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu que Battisti deveria ficar no Brasil, e o ato foi confirmado pela Suprema Corte.


Blogbraga/Agência Brasil

Compartilhar no Whatsapp
TOP Qualidade 2019
Rádio Cidade FM 95,9
Facebook
Tempo
Moeda
Conversor de Moeda
Cotação

Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
PARCEIROS
Casa da Ferramenta Delicia DM Reparos Forte Grãos Unopar Evolucao DPVAT Barreiras Silvano Santos Paraíba Click Tec Elo Aço CISO PM Vida Farma Dique Denuncia Mimoaço Jaú Oeste Manutenção P&F Grupo Marabá Dupará Açaí Contabilidade Rondon Coyote Sutrans Guarda Municipal Rabelo Fontana Dr. Márcio Rogério Polícia Civil Imperial MaxCar Extreme Bem Brasil Pastel Mineiros Neli Kenni Henke G7 Luz motos DBT Global Sportime