SECOM SECOM 2

NOTÍCIAS

Bahia mantém investimentos e salários em dia, destaca levantamento nacional do G1

Sexta-feira, 11 de Novembro de 2016 / Bahia

Mesmo enfrentando os efeitos da crise econômica e da queda nas transferências da União, a Bahia está entre os estados brasileiros com melhor desempenho na gestão de suas contas públicas, de acordo com painel nacional (https://goo.gl/MOVgZD) publicado pelo portal G1 nesta sexta-feira (11). O governo baiano e o do Mato Grosso do Sul são os únicos, no conjunto dos 27 estados do país, a apresentar desempenho satisfatório em todos os itens de um questionário reunindo sete efeitos negativos da crise econômica sobre as finanças estaduais.

De acordo com a tabela, a Bahia não cortou investimentos, não parou ou atrasou obras, não atrasou salários, não tem problemas de caixa para o pagamento do décimo terceiro salário, não atrasou o pagamento dos fornecedores, não decretou e nem avalia decretar calamidade no curto prazo. 

"A Bahia não apresentou suspensão de obras, problemas de pagamento a fornecedores, nem atraso de salários aos servidores públicos. Além disso, já pagou 50% do 13° salário de 2016", diz a reportagem. O Estado, entretanto, apresentou um déficit primário de R$ 65 milhões no primeiro semestre. 

Ouvido pelo G1, o economista Paulo Dantas, ex-presidente do Conselho Federal de Economia, afirma que a diferença entre o déficit atual e o superávit primário de R$ 1 bilhão em 2015 é relevante e demonstra o impacto da crise nas finanças do Estado. "Apesar disso, a Bahia tem uma das finanças mais equilibradas e o estado ainda tem o que podemos chamar de boa situação fiscal", diz o economista ao portal.

Ao comentar a reportagem, o secretário estadual da Fazenda, Manoel Vitório, ressalta que a estratégia do governo baiano para enfrentar a crise envolve a adoção, desde 2015, de medidas para a contenção de gastos e a ampliação das receitas próprias. "Temos agido com extrema cautela, sob a liderança do governador Rui Costa, para manter a operacionalização do Estado, preservando o papel do setor público como gerador de emprego e renda em um momento difícil para a economia, como acontece com os muitos empregos gerados pelas obras do metrô em Salvador".

O secretário faz questão de ressaltar que o Estado não está a salvo dos efeitos da crise, que ainda não dá sinais de arrefecer. A regularidade no pagamento dos salários, por exemplo, tem sido um desafio, pois a Bahia deixou de receber em 2016, R$ 509,3 milhões do Fundo de Participação dos Estados (FPE).


Blogbraga/Secom - Secretaria de Comunicação Social - Governo da Bahia

Compartilhar no Whatsapp
TOP Qualidade 2020
Rádio Cidade FM 95,9
Facebook
Tempo
Moeda
Conversor de Moeda
Cotação

Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
PARCEIROS
AFS Grupo Marabá Oeste Manutenção Mineiros Global LH Madeiras Luz motos ASMAT Casa da Informática Dique Denuncia Polícia Civil Sportime Dupará Açaí CMO Imperial Elo Aço G7 NET Online Celulares Delicia Real Unopar Evolucao ORIX Vida Farma Oeste Beton PM DBT Ofertas - Hiper Santo Antonio CISO P&F Contabilidade Rondon Paraíba Extreme Sutrans DPVAT Barreiras Guarda Municipal Casa da Ferramenta Jaú Minas Aço Neli