MídiaOn

NOTÍCIAS

Bolsonaro e Haddad fazem apelo contra violência na campanha

Quinta-feira, 11 de Outubro de 2018 / Brasil

Jair Bolsonaro e Fernando Haddad — Foto: Paulo Whitaker/Reuters e Amanda Perobelli / Reuters

Candidatos se dizem preocupados com a escalada da truculência e intolerância nas ruas.

Os dois candidatos à Presidência da República que vão disputar o 2º turno, Jair Bolsonaro, do PSL, e Fernando Haddad, do PT, falaram nesta quarta-feira (10) sobre agressões na campanha eleitoral. Ambos fizeram apelos contra a violência.

O 1º turno foi realizado no domingo (7), com 13 candidatos. Bolsonaro venceu com 46,03% dos votos válidos. Haddad terminou com 29,28%.

Ambos vão disputar a corrida presidencial no 2º turno.

Desde a votação de domingo, no entanto, houve diversos relatos de violência atribuídos a apoiadores de Bolsonaro e Haddad. Uma pessoa foi morta na Bahia.

Jair Bolsonaro

Bolsonaro divulgou à noite mensagem de texto em uma rede social à noite. “Dispensamos voto e qualquer aproximação de quem pratica violência contra eleitores que não votam em mim. A este tipo de gente peço que vote nulo ou na oposição por coerência, e que as autoridades tomem as medidas cabíveis, assim como contra caluniadores que tentam nos prejudicar”, escreveu.

O candidato do PSL passou por nova avaliação dos médicos do Hospital Albert Einstein, de São Paulo, que o examinaram em casa, no Rio de Janeiro. Ele ainda não está em condição de fazer campanha nas ruas. Os médicos recomendaram mais uma semana de repouso.

Fernando Haddad

Haddad também se mostrou preocupado com a escalada da truculência na campanha. Ele disse que propôs um pacto de não violência. “Estamos conversando com todas as forças que queiram conter a barbárie, que está em escalada no país. Nós temos que botar um fim nessa violência. É demais o que está acontecendo”, afirmou.

"Estamos recebendo mensagem de atos de violência em todo o país, alguns chegam à imprensa, outros não, além da continuidade das mentiras pelo WhatsApp e pelo Facebook. Isso precisa parar. Violência não se responde com violência", escreveu o candidato petista em uma rede social.

Morte em Salvador

Na terça (9), Bolsonaro comentou o caso em que um simpatizante é suspeito de esfaquear e matar um mestre de capoeira na Bahia após uma discussão sobre política.

 Ele afirmou que o homem cometeu um excesso e lamentou o episódio.

“Pô, cara! Foi lá pergunta essa invertida... quem tomou a facada fui eu, pô! O cara lá que tem uma camisa minha, comete lá um excesso. O que eu tenho a ver com isso? Eu lamento. Peço ao pessoal que não pratique isso. Eu não tenho controle sobre milhões e milhões de pessoas que me apoiam”, disse o candidato, adversário de Haddad na corrida presidencial.

Segundo Bolsonaro, há violência e intolerância vindas dos simpatizantes de seu adversário. “A violência veio do outro lado, a intolerância veio do outro lado. Eu sou a prova, graças a Deus, viva disso aí”, disse.


Blogbraga/G1

Compartilhar no Whatsapp
TOP Qualidade 2018
Mundial FM 91,3
Facebook
Tempo
Moeda
Conversor de Moeda
Cotação

Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
PARCEIROS
Luz motos Effect Online Celulares Protegendo Seguros Sporttime Guarda Municipal DM Reparos àguia motos Dr. Márcio Rogério G&G Magazine Click Tec Silvano Santos Compre Bem Digital Informatica Cultura Neli Unopar P&F Segurança em Eventos Dique Denuncia DPVAT Barreiras Mineiros Fontana G7 Rabelo PM Extreme Evolucao Global Grupo Marabá Expressofia Mimoso Segurança Mimogás Gil Kenni Henke Pantanal CISO Real Clinica Vitoria Casas Baiana DBT Mundo Verde Oeste Manutenção SKY Querência Máquinas Agrícolas renda extra Polícia Civil MaxCar Coyote Imperial AUTOCAR Delicia Contabilidade Rondon