Governo da Bahia

NOTÍCIAS

Boneca Momo: maneiras de evitar o contato com as crianças

Quarta-feira, 20 de Março de 2019 / Mundo

Está circulando na internet, principalmente nas redes sociais, a imagem de uma escultura aterrorizante: cabelos negros longos, olhos arregalados, um sorriso assustador e pernas de pássaro. A escultura foi criada pelo japonês Keisuke Aiso, que batizou-a de “Mãe Pássaro”. Depois, ela foi exposta em um museu de Tóquio. O problema começou quando alguém fotografou o trabalho aterrorizante e publicou na internet. A imagem havia desaparecido, por hora, mas agora voltou com força total por um motivo: batizada de ‘Momo’, a boneca assustadora está aparecendo para crianças no meio dos vídeos do YouTube Kids e ensinando suicídio, homicídio e formas de mutilação.

Em 2018, a imagem viralizou na internet e foi relacionada a um número de WhatsApp que envia mensagens perturbadoras para quem tenta entrar em contato com a Momo. Alguém compartilhou um número com origem do Japão dizendo que seria um ‘número amaldiçoado’. No WhatsApp, a imagem do perfil era uma foto da boneca. Quando alguém enviava uma mensagem, alguém respondia dizendo que era a Momo, em diversos idiomas. Algumas pessoas que enviaram mensagem disseram que a pessoa respondia com informações sobre sua vida, como dados de amigos próximos e lugares frequentados. O fato é que essa informação é muito fácil de ser adquirida na internet e com a grande exposição nas redes sociais. Outras pessoas relataram ter recebido ameaças e mensagens terríveis.

Alguns especialistas dizem que a Momo conseguia informações das pessoas assim que elas enviavam mensagem a este número. Um bot (robô) cruzava as informações do telefone com as contas de redes sociais vinculadas a este número, e conseguia os dados.

Enquanto o problema for esse, é simples de resolver: basta não enviar mensagem ao número. Não por questões sobrenaturais, até porque a Momo é uma escultura. Mas sim porque tem uma pessoa por trás, possivelmente um hacker, que pode obter seus dados e fazer o que quiser com eles.

O problema maior é o que está acontecendo agora: a imagem da escultura Momo voltou, e em um ambiente muito mais perigoso: o YouTube Kids, e em alguns jogos como Minecraft e Fortnite. No meio do vídeo ou do jogo, de repente, aparecem imagens da boneca passando mensagens macabras, ameaçando as crianças e as incentivando a se suicidarem, além de machucarem seus pais e irmãos. Esses vídeos burlam os algoritmos de segurança contidos no YouTube Kids, plataforma desenvolvida pelo YouTube justamente para preservar a segurança infantil.

O YouTube emitiu uma nota dizendo que não foram encontradas evidências reais do desafio em sua plataforma, mas encoraja as pessoas a denunciarem os vídeos que contenham a imagem da Momo. “Conteúdos desse tipo violariam nossas políticas e seriam removidos imediatamente”, diz a nota. O YouTube decidiu que não vai mais exibir anúncios em vídeos sobre a personagem Momo, e isso também vale para empresas geradoras de conteúdo.

BOA NOTÍCIA

O criador da escultura, em entrevista a um jornal britânico, disse que destruiu a escultura e a jogou fora. “As crianças podem ter certeza de que Momo está morta – ela não existe mais e a maldição se foi”, disse.

O YouTube Kids ainda é uma boa opção, já que a plataforma se preocupa com os conteúdos publicados. Recentemente o YouTube encerrou mais de 400 contas que publicavam conteúdos violentos e desativou a seção de comentários em vídeos para crianças. Enquanto os usuários violarem as diretrizes, o YouTube deve continuar tomando essas providências.

SOLUÇÕES

A melhor solução para escândalos que envolvem ameaças às crianças sempre é a conversa franca com os pais. Os pais e responsáveis devem conversar com a criança, mostrar a imagem e perguntar se a criança já viu aquela boneca. Depois, dizer a ela que a boneca já foi destruída.

Além disso, recomenda-se:

1. Em vez de deixar os pequenos acessarem livremente o YouTube Kids, fazer download dos vídeos que eles sejam permitidos a assistir. Desconectar as crianças das redes e permitir que assistam a apenas os vídeos off-line. Assim nenhum anúncio vai interromper a exibição do vídeo. Pesquisar no Google por “download de vídeos do YouTube” pode ajudar a tomar essa atitude.

2. Trocar o YouTube pelo Netflix. É uma boa saída para que as crianças tenham acesso a um conteúdo lícito.

3. Dizer para a criança que se ela vir a imagem da Momo, para ela prontamente pausar o vídeo. Tirar print de tela e denunciar o vídeo.


Blogbraga/Assessoria de imprensa da Uninter

Compartilhar no Whatsapp
TOP Qualidade 2019
Rádio Cidade FM 95,9
Facebook
Tempo
Moeda
Conversor de Moeda
Cotação

Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
PARCEIROS
Paraíba P&F Sportime Dr. Márcio Rogério Delicia Forte Grãos Casa da Ferramenta Evolucao Dique Denuncia Kenni Henke DPVAT Barreiras Unopar Imperial Coyote MaxCar Guarda Municipal DBT Contabilidade Rondon Bem Brasil Pastel Luz motos Extreme CISO Grupo Marabá Oeste Manutenção Jaú DM Reparos Mineiros Rabelo Dupará Açaí Sutrans Global Fontana G7 Vida Farma Silvano Santos Polícia Civil Elo Aço Click Tec Neli PM Mimoaço