Governo da Bahia

NOTÍCIAS

Brasileiro precisa trabalhar três dias para encher o tanque do carro

Quarta-feira, 23 de Maio de 2018 / Brasil

Com combustível custando R$ 4,28 o litro, abastecer o veículo pode consumir quase 10% do salário médio da população, que é de R$ 2.169

Com a gasolina mais cara, os brasileiros estão consumindo uma fatia maior do salário para abastecer o carro. Levando em conta o rendimento médio do trabalhador, de R$ 2.169 no primeiro trimestre, é possível calcular que se gastam o equivalente a três dias de trabalho para encher um tanque de 50 litros.

O custo médio da gasolina segundo o último levantamento da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) era de R$ 4,284. Pagando esse valor, o tanque cheio sai por R$ 214,20: 9,87% do salário médio do trabalhador, de acordo com a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios).

Vale destacar que a gasolina brasileira não está entre as mais caras do mundo. O litro custa hoje em torno de US$ 1,17, enquanto no Chile, por exemplo, sai por US$ 1,28 (R$ 4,53). Em Portugal, custa US$ 1,86 (R$ 6,34), segundo dados da plataforma Global Petrol Prices (veja gráfico abaixo).

A diferença é que nesses países a renda média do trabalhador é superior à brasileira. No Chile, o rendimento mensal gira em torno de R$ 4.750. Usando a mesma conta, os chilenos precisam trabalhar 1,5 dia para encher o tanque.

A Noruega tem uma das gasolinas mais caras do mundo (em torno de R$ 7,09 o litro), mas isso não significa que os cidadãos daquele país tenham dificuldade na hora de abastecer o carro, apesar de possuir o maior percentual do mundo de veículos elétricos em sua frota. O salário médio do norueguês é de R$ 20.018, o que faz com que ele tenha que trabalhar 1,8 dia para completar o tanque do carro.

"Quando você não tem ganhos de renda reais e crescimento econômico com reflexo na renda, como é o caso do Brasil, e existe algum tipo de descolamento em relação a produtos com preço determinado internacionalmente, ocorre essa distorção que estamos vendo. Ou seja, se houvesse geração de renda, esse problema poderia até existir, mas seria melhor equalizado", explica o professor de economia do Ibmec/SP Walter Franco.

Um levantamento recente da agência de notícias econômicas Bloomberg mostra que o Brasil é o 11º país do mundo com maior custo para adquirir gasolina se for considerada a renda média. Os brasileiros gastam 4,62% do salário de um dia para comprar um litro de gasolina.

Na França, onde o litro custa o equivalente a R$ 6,31, o trabalhador gasta 1,5% do salário de um dia por litro.

"A renda per capita do Brasil, além de ser baixa é muito mal distribuída. [...] Na Europa, a gasolina é mais cara que no Brasil e as pessoas não reclamam, porque elas têm uma renda maior e há alternativas ao transporte particular, que incentivam o uso do transporte público", explica o professor e economista Fernando Botelho, da FEA-USP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo).

Política de preços

Em outubro de 2016, a Petrobras adotou uma nova forma de precificar a gasolina e o diesel que saem das refinarias, acompanhando mensalmente a variação do barril de petróleo no mercado internacional e o dólar. Desde junho do ano passado, a empresa passou a fazer os reajustes com mais frequência, até diariamente.

No mês em que começou a vigorar a nova regra, o preço médio da gasolina no país estava em R$ 3,55, enquanto o dólar era cotado a R$ 3,25 e o barril de petróleo no mercado internacional a US$ 49,95.

Passado quase um ano, a gasolina passou para R$ 4,28 (alta de 20,5%), o dólar está em R$ 3,64 e o barril de petróleo custa US$ 80,21 (alta de 47,4%).

Os EUA têm uma política de preços similar à brasileira, mas não sofrem com variação cambial porque o barril de petróleo é negociado em dólar.

Há um ano, o galão de gasolina (3,785 litros) era vendido a US$ 2,448, em média. Em abril, fechou em US$ 2,795: alta de 14,1%. O preço já é o mais alto desde julho de 2015, segundo dados da Secretaria de Estatísticas Trabalhistas dos Estados Unidos.

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, afirmou nesta terça-feira (22) que a forma de precificar a gasolina e o diesel continuará a mesma porque as altas se devem a "fatores externos" e "a empresa tem obrigação de refletir isso".

Por outro lado, o governo tenta conter a pressão cambial das últimas semanas, com o Banco Central atuando diariamente no mercado, o que já gerou uma queda sensível da moeda norte-americana.

E na manhã de terça, a Petrobras anunciou redução no preço da gasolina nas refinarias a partir desta quarta-feira (23).

Para o professor Botelho, da FEA-USP, a política de preços da Petrobras é "muito transparente". No entanto, ele acha que a empresa poderia ter espaçado os reajustes para evitar que as altas do câmbio e do barril de petróleo chegassem tão rápido à população.

"Não se trata de represar preços, porque isso já causou muitos prejuízos à Petrobras no passado, mas apenas de não fazer diariamente as revisões".

No entanto, ele diz que, "infelizmente", o consumidor deverá arcar com esse custo adicional da gasolina. "Senão, a conta vai sobrar para o governo e aí todos pagarão indiretamente". 

Alta do diesel e protesto de caminhoneiros

Além dos motoristas de carros, os caminhoneiros também estão enfrentando dificuldades para encher o tanque em razão da alta do diesel. Por causa disso, os caminhoneiros entraram no terceiro dia de protestos nesta quarta-feira (23). 

Para agradar a categoria, o governo federal anunciou ontem que cortará um dos impostos sobre o diesel, a Cide, para reduzir o preço do combustível. Esse imposto rende cerca de R$ 2,5 bilhões anuais em arrecadação para o governo.

Para compensar o desfalque, o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, anunciou que foi fechado um acordo com o Congresso para que seja aprovada a reoneração da folha de pagamentos de alguns setores da economia.


Blogbraga/R7

Compartilhar no Whatsapp
TOP Qualidade 2019
Rádio Cidade FM 95,9
Facebook
Tempo
Moeda
Conversor de Moeda
Cotação

Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
PARCEIROS
DM Reparos Guarda Municipal DPVAT Barreiras P&F Casa da Ferramenta Polícia Civil Dr. Márcio Rogério G7 Grupo Marabá Dique Denuncia Unopar Fontana Extreme CISO Delicia PM Oeste Manutenção Rabelo Sutrans Kenni Henke Vida Farma Mimoaço MaxCar Coyote Dupará Açaí Silvano Santos Jaú Evolucao Contabilidade Rondon Mineiros Sportime Neli Ademilar AUTOCAR Global DBT Imperial Elo Aço Click Tec Bem Brasil Pastel Luz motos Mimoso Segurança Forte Grãos Paraíba