MídiaOn

NOTÍCIAS

Eleições 2018: Desde a última terça-feira, eleitores não podem ser presos

Quarta-feira, 03 de Outubro de 2018 / Brasil

Especialista explica que prisões de eleitores e candidatos só podem ser realizadas flagrante delito ou sentença criminal condenatória por crime inafiançável por desrespeito a salvo-conduto

A orientação está na legislação e prevista no calendário eleitoral. Segundo Yuri Sahione, especialista em Direito e Processo Penal, a origem desta norma data da década de 60, época em que o Estado poderia interferir em um processo eleitoral através de prisões arbitrárias.

"Temos de considerar que nosso código eleitoral é de 1965 e por esse motivo havia uma certa estabilidade jurídica com relação aos poderes que o Estado poderia dispor para tentar manipular uma eleição", explicou.

Deste sábado (22), os candidatos às eleições de 2018 também não podem ser alvos de mandados de prisão, a não ser em flagrante delito. O impedimento está garantido no Código Eleitoral Brasileiro, que veda prisões nos 15 dias antes do pleito. Eles só poderão ser presos em outras circunstâncias 48 horas após as eleições.

Yuri Sahione pondera que apesar das prisões serem proibidas, o índice do número de crimes não aumenta durante esse período. "Estaticamente a gente nunca percebeu um aumento de criminalidade durante esse período eleitoral, até porque justamente considerando a necessidade de reprimir crimes eleitorais, usualmente as Forças Armadas e a Polícia Federal fazem um aumento de patrulhamento para coibir a prática de crimes", afirmou.

Desde o último dia 2 de outubro, só poderão ser presos eleitores que forem pegos em casos de flagrante delito ou de sentença criminal condenatória por crime inafiançável por desrespeito a salvo-conduto. "Você pode ser preso e começar a cumprir pena com relação aos seguintes crimes: Racismo, tortura, terrorismo, tráfico de drogas, ação de grupos armados ou crimes hediondos", disse Yuri Sahione. A regra vale até 48 horas após o pleito.

Na semana passada, a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) declarou constitucional o cancelamento de 3,3 milhões de títulos de eleitores porque não compareceram aos cartórios eleitorais nos municípios em que houve o recadastramento para identificação biométrica.

Segundo Yuri Sahione, pessoas que se encontram nessa situação não se enquadram na norma do código eleitoral e podem ser presas. "Essas pessoas que não se configuram como 'eleitor' não estão protegidas pela norma".


Blogbraga/CEU

Compartilhar no Whatsapp
TOP Qualidade 2018
Mundial FM 91,3
Facebook
Tempo
Moeda
Conversor de Moeda
Cotação

Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
PARCEIROS
Polícia Civil G7 DM Reparos Cultura Neli PM àguia motos Imperial Querência Máquinas Agrícolas Dupará Açaí Segurança em Eventos Expressofia SKY Mineiros Kenni Henke Sporttime Rabelo Digital Informatica Click Tec Dique Denuncia Mimogás Dr. Márcio Rogério Guarda Municipal renda extra CISO Delicia Coyote Gil Unopar DPVAT Barreiras Mundo Verde Fontana Casas Baiana Evolucao Silvano Santos Pantanal Extreme Online Celulares Contabilidade Rondon Casa da Ferramenta Clinica Vitoria Global Compre Bem DBT P&F Oeste Manutenção AUTOCAR G&G Magazine Luz motos Effect Grupo Marabá MaxCar Mimoso Segurança