Governo da Bahia

NOTÍCIAS

LUCRO LÍQUIDO DA CAIXA CHEGA A R$ 4,2 BI NO 2T19, 22% SUPERIOR AO 2T18

Terça-feira, 03 de Setembro de 2019 / Brasil

Lucro do 2T19 é o maior dentre os segundos trimestres do Banco; lucro líquido de R$8,1 bi no 1S19 é recorde da CAIXA para o período

A CAIXA, o maior banco brasileiro em número de clientes, anuncia o seu resultado consolidado do segundo trimestre de 2019 (2T19).

DESTAQUES DO RESULTADO DO 2T19:

LUCRO LÍQUIDO DO 2T19 de R$4,2 bilhões, crescimento de 21,6% em relação ao 2T18.
LUCRO LÍQUIDO DO 1S19 de R$8,1 bilhões, crescimento de 22,2% em relação ao 1S18.
RETIRADA DE RESSALVA DO BALANÇO,  com a chegada da nova gestão e a conclusão das investigações internas, a ressalva do balanço foi retirada. Destaca-se que não houve qualquer ajuste nas demonstrações contábeis da CAIXA decorrente do processo investigativo.
PAGAMENTO DE IHCD de R$10,35 bilhões, sendo que R$3 bilhões foram transferidos em julho e R$7,35 bilhões pendentes de autorização do BACEN.
ÍNDICE DE BASILEIA de 20,3%, melhoria de 1,2 p.p. frente ao 2T18.
FOLLOW ON DE AÇÕES DA PETROBRAS, com venda integral da posição da CAIXA (R$7,3 bilhões) e retirada desse ativo do balanço do Banco. O Banco obteve ganho de cerca de R$2,3 bilhões antes da tributação nessa operação.
VALORIZAÇÃO DO BANCO PAN em 482%, com a posição da CAIXA evoluindo de R$0,7 bilhão em dezembro de 2018 para R$4,3 bilhões em junho de 2019, após exercício da opção de 101 milhões de ações (R$242 milhões).
MARGEM FINANCEIRA totalizou R$14,1 bilhões, avanço de 12% em comparação ao 2T18.
ÍNDICE DE INADIMPLENCIA de 2,46%, redução de 0,04 p.p. em relação ao 2T18, significativamente menor do que a média de mercado (3,05%).
ÍNDICE DE EFICIÊNCIA RECORRENTE de 24,8%, evolução de 1,7 p.p. em relação ao 2T18.
NOTA 10 NO IGSEST - 1º vez que a CAIXA atinge quatro notas máximas na avaliação semestral.

A evolução na margem financeira (12%) foi o principal influenciador para os 22% de crescimento do lucro líquido no trimestre (R$4,2 bilhões). Essa forte lucratividade foi também decorrente de diminuição das outras despesas administrativas (6%) e parcialmente compensada pelo aumento de despesas de pessoal (3%), em relação a igual trimestre em 2018.

RESULTADOS E INDICADORES DO 2T19

O resultado bruto da intermediação financeira atingiu R$10,7 bilhões no 2T19, evolução de 16% em relação ao 2T18, influenciado pela redução nas despesas com provisão para créditos de liquidação duvidosa. A margem financeira apresentou evolução de 12%, em virtude do crescimento no resultado com TVM e Derivativos, e redução das despesas de captação.

As receitas com prestação de serviços totalizaram R$6,6 bilhões no 2T19, estáveis em relação a igual trimestre em 2018. No acumulado dos seis primeiros meses de 2019, essas receitas foram de R$13,2 bilhões, evolução de 1,2% frente ao apurado no 1S18, influenciadas pelo aumento de 13,2% nas receitas de serviços com fundos de investimento, 6,4% nas receitas de serviços de governo e 5,2% nas receitas de convênios e cobrança bancária.

As despesas administrativas totalizaram R$7,8 bilhões no 2T19, com redução de 0,7% em relação ao 2T18. No primeiro semestre, essas despesas foram de R$16,3 bilhões, evolução de 5,1% em relação ao 1S18, impactadas pelo aumento das indenizações relativas aos programas de desligamento voluntário. A CAIXA iniciou em maio passado um plano de demissão voluntária para um público alvo de 3,5 mil empregados, onde estima-se economizar R$716 milhões ao ano, com payback em 16 meses.

O resultado operacional no 2T19  caiu 2,1%, para R$4,5 bilhões. No acumulado dos seis primeiros meses de 2019 alcançou R$9,0 bilhões, evolução de 0,5% em relação ao apurado no 1S18, proveniente  do aumento do Resultado Bruto de Intermediação Financeira.

O retorno sobre o patrimônio líquido médio (ROE) registrou 15,6% em junho de 2019, apresentando uma redução de 2,3 p.p., impactado pela evolução, em 12 meses, de R$7,6 bilhões no saldo do patrimônio líquido.

O Índice de Eficiência Recorrente alcançou 47,9% no 2T19, leve alta de 2,4 p.p. em relação ao 2T18. O índice de cobertura das despesas administrativas evoluiu 2,0 p.p. do 2T18 para 2T19 e atingiu 82,1%. O índice de cobertura das despesas de pessoal totalizou 128,4%, melhora de 1,74 p.p. na comparação em 12 meses.

O Índice de Basileia atingiu 20,3%, superior ao mínimo de 11,0%. Os índices de capital principal e de nível I totalizaram 13,9%, mantendo-se acima do mínimo regulatório de 8,0% para o de capital principal, e 9,5% para o índice de capital nível I.

1. Índice de Jun19 considera o pagamento de cerca de R$3 bi referente ao IHCD e o resgate de aproximadamente R$2 bilhões da Nota Subordinada (US$500 milhões), sendo que tais valores foram desconsiderados do Patrimônio de Referência, conforme autorização do BACEN.

EFICIÊNCIA E REDUÇÃO DE CUSTO DE CAPITAL

A CAIXA recebeu a autorização do BACEN para o pagamento de R$ 3 bilhões de IHCD e aguarda a autorização para pagamento de mais R$ 7,35 bilhões de IHCD, instrumentos que compõem a base de capital regulatório do Banco. Estes pagamentos proporcionarão uma redução de custos de capital para a CAIXA, tendo em vista que parte dos IHCD possui cláusulas de atualização monetária não usuais, referenciadas no resultado da CAIXA.

CARTEIRA DE CRÉDITO AMPLA TOTALIZA SALDO DE R$682,4 BILHÕES

A carteira de crédito ampla da CAIXA fechou com saldo de R$682,4 bilhões em junho de 2019, leve recuo de 1,9% em 12 meses, influenciado pela redução de 7,9% na carteira comercial PF e de 30,7 % para PJ. O saldo total da carteira é parcialmente compensado pelos aumentos de 3,6% e 1,2% nas carteiras habitacional e de infraestrutura.

PARTICIPAÇÃO DA CAIXA NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO CRESCE  E ATINGE 69,0%

A CAIXA manteve a liderança no mercado de crédito imobiliário, com o ganho de 0,3 p.p. frente a junho de 2018, totalizando 69,0% de participação. O saldo da carteira de crédito habitacional cresceu 3,6% em 12 meses e chegou a R$452,3 bilhões em junho de 2019, dos quais R$276,2 bilhões foram concedidos com recursos FGTS e R$176,1 bilhões com recursos CAIXA/SBPE.

Nos primeiros seis meses deste ano foram concedidos R$176,7 bilhões em crédito para a população brasileira, uma evolução de 5,5% relação ao mesmo período de 2018, demonstrando a recuperação da carteira de crédito da Instituição. Somente no segundo trimestre, a CAIXA concedeu R$93,5 bilhões, apresentando uma evolução de 12,3% em relação ao 1T19 e 7,1% se comparada ao 2T18.

Em relação ao Programa Minha Casa Minha Vida, no 1S19, foram contratados na CAIXA R$17,0 bilhões, o equivalente a 125,2 mil unidades habitacionais.

OPERAÇÕES DE SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA CRESCERAM 1,2% EM 12 MESES

As operações de infraestrutura obtiveram um incremento de 1,2%, alcançando saldo de R$83,6 bilhões em junho de 2019.

CAIXA CRESCE 6,5% NO SALDO DE POUPANÇA E MANTÉM SUA LIDERANÇA NO MERCADO

As captações totais apresentaram saldo de R$988,8 bilhões em junho de 2019. A poupança apresentou saldo de R$301,6 bilhões, alta de 6,5% em 12 meses, mantendo-se na liderança do mercado, com 37,7% de participação.

Em junho de 2019, a Empresa possuía 79,6 milhões de contas de poupança, incremento de 2,8 milhões de contas em relação ao registrado em junho de 2018.

As letras imobiliárias, hipotecárias, financeiras e agrícolas totalizaram R$56,8 bilhões, redução de 39,0% em 12 meses e 5,4% no trimestre, em linha com a estratégia de captação da CAIXA em optar por captações menos onerosas.

PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATINGE R$86,4 BILHÕES, 9,6% MAIOR QUE O ANO ANTERIOR

A empresa encerrou o primeiro semestre de 2019 com um patrimônio líquido de R$ 86,4 bilhões, um incremento de 9,6% em comparação com o mesmo período do ano anterior.

A variação de R$ 7,6 bilhões no patrimônio líquido em 12 meses foi decorrente, principalmente, da evolução de 143,6% nos lucros acumulados.

LOTERIAS ARRECADAM R$ 4,8 BILHÕES COM 51,9% DE AUMENTO COM RELAÇÃO AO 2T18

As Loterias CAIXA arrecadaram R$ 4,8 bilhões no 2T19, 51,9% maior que o apurado no 2T18. Na comparação semestral, o crescimento foi de 24,9% com arrecadação atingindo a marca de R$ 8,1 bilhões no 1S19.

Dentre os valores arrecadados no semestre, cerca de R$ 3,0 bilhões foram transferidos no período aos programas sociais do Governo Federal nas áreas de seguridade social, esporte, cultura, segurança pública, educação e saúde, o que corresponde a 37,3% do total arrecadado.


Blogbraga/Assessoria de Imprensa da CAIXA

Compartilhar no Whatsapp
TOP Qualidade 2019
Rádio Cidade FM 95,9
Facebook
Tempo
Moeda
Conversor de Moeda
Cotação

Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
PARCEIROS
Rabelo Click Tec Casa da Ferramenta Vida Farma Polícia Civil Epis BA Dr. Márcio Rogério Guarda Municipal Global MaxCar Dupará Açaí PM Coyote CMO Sportime Silvano Santos Contabilidade Rondon DM Reparos Sutrans Oeste Manutenção Luz motos Neli Dique Denuncia G7 Mineiros Elo Aço Extreme Fontana Fashion Work Bem Brasil Pastel Delicia Unopar Grupo Marabá Paraíba DBT Evolucao Capital Imóveis P&F Kenni Henke Jaú Imperial DPVAT Barreiras Mimoaço Forte Grãos CISO