MídiaOn

NOTÍCIAS

REGIÃO DE BOQUIRA: TCM rejeita contas da Prefeitura de Ibitiara

Quarta-feira, 07 de Novembro de 2018 / Região

O Tribunal de Contas dos Municípios rejeitou, nesta quarta-feira (07/11), as contas do prefeito de Ibitiara, José Roberto Oliveira, referentes ao exercício de 2017. O gestor violou determinação do TCM ao não adotar as providências necessárias para recuperação de créditos municipais no montante de R$6.310.454,56. Diante da irregularidade, o relator do parecer, conselheiro José Alfredo Rocha Dias, determinou a formulação de representação ao Ministério Público Estadual para que seja apurada a prática de ato ilícito ou de improbidade administrativa. O prefeito foi multado em R$10 mil.

A matéria relativa à recuperação dos créditos municipais já havia sido abordada nos pareceres prévios atinentes aos exercícios de 2014, 2015 e 2016, todos da responsabilidade de José Roberto Oliveira, mas o gestor não acatou à determinação. Assim, em razão da relevância do montante – R$6.310.454,56 – e da não adoção das providências determinadas pelo tribunal, a relatoria considerou que essa irregularidade, por si, compromete o mérito das contas.

O balanço orçamentário das contas da prefeitura de Ibitiara revelou a existência de déficit no montante de R$915.289,89, já que a receita arrecadada alcançou a quantia de R$30.026.514,69 e as despesas foram realizadas na ordem de R$30.941.804,58. Os recursos deixados em caixa não foram suficientes para quitar as despesas com restos a pagar, o que indica um desequilíbrio fiscal nas contas do município. O prefeito deve efetivar as devidas correções, tendo em vista que poderá macular o méritos das contas em seu último ano de mandato, caso a situação continue a se repetir.

Já a despesa total com pessoal alcançou o montante de R$16.750.291,58, que corresponde a 56,27% da receita corrente líquida do município, extrapolando, portanto, o percentual de 54% previsto na LRF. Apesar de ter extrapolado o limite de gastos com pessoal, a relatoria não opinou pela rejeição ou aplicação da multa legalmente prevista, vez que a despesa ainda encontra-se no prazo de recondução, devendo o gestor eliminar o percentual excedente.

A análise técnica dessas contas ainda apontou algumas inconsistências nas peças contábeis apresentadas, bem como nos demonstrativos gerados pelo sistema SIGA, a exemplo de baixa cobrança da dívida ativa do município; não adoção de medidas para redução da despesa com pessoal; irregularidades em procedimentos licitatórios; e contratação de pessoal sem concurso público nos meses de agosto e setembro.


Blogbraga/Assessoria de Comunicação Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia

Compartilhar no Whatsapp
TOP Qualidade 2018
Mundial FM 91,3
Facebook
Tempo
Moeda
Conversor de Moeda
Cotação

Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
PARCEIROS
Cultura Mimogás Effect Segurança em Eventos Extreme Clinica Vitoria Digital Informatica Contabilidade Rondon MaxCar Oeste Manutenção Mineiros Sporttime Online Celulares Fontana Mimoso Segurança AUTOCAR Dr. Márcio Rogério Compre Bem Expressofia Global Real Gil Coyote Kenni Henke Querência Máquinas Agrícolas CISO Polícia Civil Dique Denuncia Mundo Verde DBT renda extra Rabelo Guarda Municipal G&G Magazine SKY G7 Neli Protegendo Seguros Evolucao DPVAT Barreiras Delicia PM Dupará Açaí Grupo Marabá Casas Baiana Pantanal Luz motos P&F Click Tec Silvano Santos Imperial àguia motos DM Reparos Unopar