Governo da Bahia

NOTÍCIAS

Representantes dos MPs do Mercosul debatem medidas de combate a feminicídio e tráfico de migrantes

Sexta-feira, 23 de Agosto de 2019 / Brasil

Em reunião realizada em Salvador, procuradores discutem soluções conjuntas para problemas comuns enfrentados pelos países do grupo e associados

Teve início nesta quarta-feira (21), em Salvador, a reunião preparatória, que antecede a 26ª Reunião Especializada de Ministérios Públicos do Mercosul (REMPM). O evento agrega representantes dos países integrantes do grupo e associados. O objetivo é fortalecer a cooperação jurídica e buscar soluções para temas de interesse comum. No primeiro dia de encontro, os participantes debateram medidas concretas para fomentar a igualdade de gênero dentro do Ministério Público, combater o feminicídio e o tráfico de migrantes. A prevenção e o enfrentamento à tortura e a outros crimes de lesa a humanidade também estiveram no foco das discussões, que continuam até sexta-feira (23).

Na abertura do evento, a secretária de Cooperação Internacional do Ministério Público Federal (MPF) brasileiro, Cristina Romanó, destacou que o objetivo do evento é fortalecer o diálogo em temas como combate à corrupção e ao crime organizado transnacional, além de proteção dos direitos humanos na região. “É gratificante ver que, desde o início dessas reuniões, em 2005, já evoluímos muito na cooperação jurídica e no enfrentamento da criminalidade na região”, afirmou Romanó. O procurador-chefe do MPF na Bahia, Fábio Conrado, também ressaltou a importância do fortalecimento de laços entre os procuradores de diferentes países para facilitar o intercâmbio de informações e o avanço das investigações.

Gênero – A adoção de medidas para garantir maior igualdade entre homens e mulheres nos Ministérios Públicos e reduzir o número de feminicídios foram alguns dos pontos debatidos pela subcomissão de trabalho de gênero da REMPM. Os representantes alertaram para o aumento do número de assassinatos cometidos contra mulheres nos países do grupo e destacaram a importância de se estabelecer políticas para frear esse crime, punir os responsáveis e acolher as vítimas.

A secretária adjunta de Cooperação Internacional do MPF Denise Abade explicou que, no Brasil, há grupos de trabalho que estudam a adoção de medidas para combater e prevenir a violência de gênero e assegurar o direito de mulheres, sobretudo negras e transgêneros. “A cada duas horas uma mulher é assassinada no Brasil e não podemos deixar esse número aumentar, precisamos reforçar a prevenção”, alertou. Ela criticou a recente extinção dos comitês de enfrentamento da violência contra mulheres e minorias no Brasil, vinculados ao governo federal, e destacou a importância do MP na defesa dessas pessoas.

A subcomissão da REMPM aprovou um plano de trabalho para os próximos dois anos, no intuito de formular um protocolo comum de prevenção, investigação e persecução penal contra crimes de violência de gênero. O titular da direção-geral de Cooperação Regional e Internacional da Argentina, Diego Solernó, também propôs a criação de parâmetros básicos para medir o feminicídio. Segundo ele, na Argentina, muitos casos de assassinato de mulheres acabam sendo classificados de outra forma, o que dificulta a elaboração de um diagnóstico fiel que sirva de base para a execução de uma política efetiva de combate a esse crime.

O grupo também irá definir e propor, nos próximos anos, critérios para o ingresso de procuradores no Ministério Público que fomentem a entrada de mulheres na carreira. O objetivo é reduzir a desigualdade de gênero dentro da instituição. Segundo o diretor da Procuradoria Especializada em Delitos de Violência Sexual da Bolívia, Roberto Ignacio Gamarra, medidas adotadas nos últimos anos pela comissão de gênero do país fizeram com que a instituição chegasse ao equilíbrio. Hoje, o MP boliviano é composto por 48% de mulheres e 52% de homens, realidade que ainda está distante de ser atingida por outros países. No MPF brasileiro, por exemplo, os procuradores ainda respondem por 71% dos integrantes da carreira.

Tráfico de pessoas – Durante a reunião, os procuradores também discutiram propostas para o combate ao tráfico ilegal de migrantes. O diretor-geral da Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU), João Akira, lembrou que de 1990 a 2015 o número de pessoas que saíram de suas localidades em busca de melhor qualidade de vida saltou de 153 milhões para 244 milhões. Segundo ele, grupos mais vulneráveis, como mulheres, crianças e pessoas com deficiência, acabam sendo vítimas de tráfico irregular. No combate a esse problema, ele destacou a importância de se criar redes com outras instituições do Estado e da sociedade civil, como ONGs, entidades religiosas e órgãos de segurança pública. “É preciso capacitar todos esses agentes para garantir atendimento adequado à vítima, que acaba sendo a principal testemunha na persecução penal”, salientou.

O diretor da Unidade de Cooperação Internacional e Extradições do MP do Chile, Antonio Segovia Aranciba, também destacou ser fundamental a elaboração de um estudo sobre a migração irregular na região, de forma a identificar não só a origem, o trânsito e o destino dessas pessoas, como as características comuns de vulnerabilidade e os meios usados para a entrada ilegal em outros países. “A elaboração de um estudo e a atuação conjunta dos países são fundamentais para fortalecer as investigações”, afirmou.

Para avançar no enfrentamento do crime, a subcomissão que trata do tema na REMPM propôs a criação de procuradorias especializadas no combate e prevenção ao tráfico de pessoas, assim como a criação de Equipes Conjuntas de Investigação (ECIs). A secretária de Cooperação Internacional do MPF brasileiro lembrou que foi aprovada recentemente a criação da primeira ECI entre Brasil e Paraguai para apurar casos de tráfico de pessoas envolvendo os dois países. Os integrantes da REMPM também propuseram a elaboração de um protocolo para a repatriação segura e o retorno assistido de vítimas, assim como a articulação com outras redes internacionais, órgãos que atuam no tema e entidades da sociedade civil para capacitação dos agentes, prevenção ao crime e atenção às vítimas.

Tortura – Outros dois grupos de trabalho discutiram, nesta quarta-feira (20), propostas para o combate à tortura dentro dos estabelecimentos penais e outros crimes de lesa humanidade. O procurador da República na Bahia André Batista Neves ressaltou que, no Brasil, a violência institucional afeta sobretudo jovens negros. Dos 812 mil presos no país, 64% são pessoas negras e 54% têm menos de 30 anos. “O Judiciário e o Ministério Público precisam tomar medidas urgentes para que delitos de tortura sejam punidos. É uma questão de defesa dos interesses sociais e da própria democracia”, ressaltou. Para isso, ele defendeu a participação efetiva da sociedade e programas de capacitação voltados às polícias e forças de segurança.

Entre as medidas propostas pela subcomissão que trata de pessoas privadas de liberdade e monitoramento da atuação policial está a elaboração, até o próximo ano, de um diagnóstico regional sobre investigações e sanções aplicadas a casos de tortura em estabelecimentos penais. Os participantes também propuseram a criação de um guia para o monitoramento de presídios, com ferramentas concretas de atuação em casos de violação dos direitos humanos.Todas as medidas propostas pelos grupos serão submetidas aos procuradores-gerais dos países membros e associados ao Mercosul, que se reunirão na sexta-feira (23) para firmar a Declaração de Salvador.


Blogbraga/Secretaria de Comunicação Social Procuradoria-Geral da República

Compartilhar no Whatsapp
TOP Qualidade 2019
Rádio Cidade FM 95,9
Facebook
Tempo
Moeda
Conversor de Moeda
Cotação

Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
PARCEIROS
Mimoaço DPVAT Barreiras DM Reparos Paraíba Delicia Capital Imóveis DBT Extreme Forte Grãos Casa da Ferramenta Grupo Marabá Epis BA Guarda Municipal Rabelo Fashion Work Sportime Imperial P&F Oeste Manutenção Silvano Santos MaxCar Neli Bem Brasil Pastel Coyote CMO Polícia Civil Jaú Kenni Henke Click Tec PM Dupará Açaí CISO Global Dique Denuncia Fontana Luz motos Dr. Márcio Rogério Sutrans Vida Farma Unopar Mineiros Contabilidade Rondon Elo Aço G7 Evolucao