NOTÍCIAS

Justiça suspende interdição parcial do Conjunto Penal de Barreiras

Terça-feira, 12 de Junho de 2018 / Região

Foto: Blogbraga - Repórter Paiva

O tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), Gesilvaldo Britto, suspendeu a liminar que tinha interditado parcialmente o Conjunto Penal de Barreiras no oeste da Bahia. A sentença foi divulgada nesta terça-feira (12), no Diário da Justiça Eletrônico.

O Conjunto Penal estava parcialmente interditado desde o dia 5 de junho, depois que a Justiça acatou o pedido de interdição feito pelo Ministério Público Estadual (MP-BA). órgão estadual moveu uma Ação Civil pública após apontar irregularidades na unidade prisional, como falta de vagas e de segurança.

Entretanto, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) recorreu, no dia 7 de junho, da liminar que interditava o presídio e teve decisão favorável. A unidade ficou impedida de receber presos, mas não de liberar, porém, não houve saída de presos nesse período. Com a suspensão, a unidade imediatamente fica liberada para receber novos presos.

Ação

Foto: Blogbraga - Repórter Paiva

A ação movida pelo MP-BA foi depois que 91 presos do presídio de Ilhéus, no sul da Bahia, foram transferidos para Barreiras. A autora da ação, a promotora Rita de Cássia Pires, disse que o Conjunto Penal de Barreiras não tem condições de manter no local presos de regiões que não sejam do oeste do estado.

Sobre a transferência do presos de Ilhéus, a Seap informou que a decisão foi do próprio provimento da Corregedoria Geral de Justiça do Estado da Bahia e que a pasta somente cumpriu determinação da própria corregedoria da Justiça.

Na ação, o MP-BA ainda apontou que a unidade prisional estava cheia, mas a Seap disse que Conjunto Penal de Barreiras possui 530 presos e 533 vagas.

A promotora Rita de Cássia Pires detalhou que o pedido de interdição também fere o direito dos presos à visita, já que a distância entre Barreiras e Ilhéus é de cerca de 948 km e o percurso da viagem entre as duas cidades, através da estrada, é de aproximadamente 15h.

O MP-BA disse, ainda, que no Conjunto Penal de Barreiras não tem funcionários suficientes para atender a demanda do local e o pedido de interdição também tem o objetivo de resguardar, além dos direitos concedidos aos detentos, a segurança dos funcionários dos presídios e da população em geral.

Conforme apontou o Ministério Público, só o diretor do Conjunto Penal de Barreiras é servidor público. Os outros três funcionários trabalham como prestadores de serviço, sendo que um deles não estava no local de trabalho nas visitas feitas pela promotoria.

Outra situação que preocupa a promotora é o fato dos presos de Ilhéus se dizerem pertecentes de uma facção criminosa diferente da que está em Barreiras.

O Conjunto Penal de Barreiras ficou pronto em 2015, mas só foi inaugurado dois anos e meio depois, por causa de atraso na licitação pra contratar funcionários.


Blogbraga/G1

Compartilhar no Whatsapp
TOP Qualidade 2018
Mundial FM 91,3
Facebook
Tempo
Moeda
Conversor de Moeda
Cotação

Cotações de Commodities fornecidas por Investing.com Brasil.
PARCEIROS
DPVAT Barreiras Silvano Santos Casas Baiana Contabilidade Rondon Protegendo Seguros Cultura Exaustores Eólicos Coyote Clinica Vitoria PM Oeste Manutenção Online Celulares CISO Pollo àguia motos Digital Informatica Sporttime Mineiros Fontana Compre Bem Unopar Segurança em Eventos Grupo Marabá Extreme Delicia renda extra Luz motos Rabelo Mimoso Segurança Evolucao G&G Magazine Polícia Civil G7 Neli Imperial Click Tec Dique Denuncia Mimogás Guarda Municipal Mundo Verde Pantanal Global